Amanhã, 23 de janeiro, às 15h, o presidente da TV Cultura, Paulo Markun, lança pesquisa pioneira que investiga o comportamento dos usuários de LAN house. O estudo é coordenado pela Cultura Data, órgão de

divulgaçãoAumenta o número de usuários de Lan House

Créditos: Aumenta o número de usuários de Lan House

Aumenta o número de usuários de Lan House

pesquisa da Fundação Padre Anchieta e ouviu 349 usuários e 27 donos de lojas de São Paulo, de Heliópolis à Avenida Paulista.

A pesquisa marca o início do projeto Conexão Cultura, desenvolvido para integrar as LAN house de todo o Brasil numa ação de cunho educacional. O objetivo é estimular o uso da internet nesses centros de inclusão digital, mas sob a luz do conteúdo de qualidade.

Para isso, a TV Cultura investiu no desenvolvimento de um aplicativo para as LAN house usarem em seus terminais que vai levar o usuário a acessar conteúdos educativos, de formação profissional, cultural e de serviços.

Tanto os proprietários das LAN house como os internautas serão envolvidos no Conexão Cultura por meio de um sistema de premiação. O projeto, que pode atingir até dois milhões de frequentadores de LAN house brasileiras, deve começar a funcionar dentro de três meses.

Na cidade de São Paulo, já existe parceria firmada com a Prefeitura Municipal para a implementação do aplicativo em todos os computadores dos mais de 300 telecentros espalhados na capital.

Os jogos cedem lugar para o espaço público de acesso à Internet

Os videogames foram destronados nas LAN house, que são hoje locais públicos usados para comunicação, informação, pesquisa e relacionamento, por jovens de todas as classes sociais. Essa é a principal conclusão de um estudo coordenado pela Cultura Data, órgão de pesquisa da Fundação Padre Anchieta, que ouviu 349 usuários e 27 donos de lojas de São Paulo, de Heliópolis à Avenida Paulista.

Mesmo quem tem computador em casa tem usado esse serviço com freqüência quando está na rua. A maioria tem até 24 anos, pertence às classes C e D e além de trocar mensagens, costuma assistir vídeos, filme e ouvir rádio. Os garotos visitam as lojas pelo menos uma vez por semana e ficam conectados por mais de uma hora. O resultado da pesquisa indica ainda que as LAN house também servem a pesquisas escolares e consultas sobre cursos de qualificação e oportunidades de emprego. O usuário das lojas já é um internauta em busca de conteúdo qualificado.

A pesquisa

O desafio dos pesquisadores da Cultura Data, área de pesquisas da Fundação Padre Anchieta, na consulta realizada entre 10 a 17 de dezembro de 2008, era conhecer um pouco mais o comportamento dos usuários de LAN house. A amostra, que colheu dados em lojas situadas em todas as regiões de São Paulo, utilizou um questionário com perguntas abertas e fechadas. Além dos usuários procurou conhecer algumas peculiaridades das lojas do ponto de vista de seus proprietários ou responsáveis presentes no momento da entrevista. Um número significativo, 17% dos usuários consultados, tem nas LAN house sua única forma de acesso à Internet. O acesso à Internet se dá, ainda, para 40%, na casa de amigos, para 17% na própria casa, 15% no trabalho e 12% através da escola.

A pesquisa ainda mostra que o hábito de entrar na rede está se incorporando de maneira intensa na vida dos paulistanos. Mais da metade dos pesquisados (55%) assimilou o custo do acesso e cerca de 1 em cada 3 (36%) acha barato o valor que paga pelo uso de equipamentos que varia de R$1,50 a R$ 2,00 a hora.

Os resultados do estudo, além de demonstrar que as casas de jogos on line viraram espaços públicos de inclusão digital, revelam uma tendência de procura por conteúdos educativos e informativos. Essa transformação insere o usuário num universo de relacionamento, acesso a Internet que lhe oferece oportunidades de crescimento pessoal e cultural e, ao mesmo tempo, representa para os proprietários uma grande oportunidade para reconfiguração e ampliação do negócio.

Os jovens lideram o público das Lans

Os entrevistados encontrados nas LAN house mostram que estes espaços hoje são mais frequentados por homens do que por mulheres, sendo que mais da metade (57%) têm até 24 anos. Enquanto que 1/3 (34%) são jovens de 16 a 24 anos.

À medida que a faixa etária aumenta, a LAN house vai perdendo usuários, apenas 9% têm acima de 45 anos. As LAN house são utilizadas por todas as classes sociais: 47% dos usuários são de classe AB, 51% de classe C e 3%, de classe D.

Conexão na rua vira hábito

Os dados mostram que está se incorporando ao hábito dos entrevistados, independente de contar ou não com outras possibilidades de acesso, a presença em um desses estabelecimentos de conexão à Internet.
Dos entrevistados, aproximadamente 2 em cada 3 (67%) costumam frequentar LAN house ao menos uma vez por semana, e quase metade deles (47%) fica no mínimo 1 hora usando os equipamentos.

A maioria dos entrevistados, 60%, especialmente os mais jovens, frequentam as LAN house durante o dia. Esse hábito não é recente. Apenas 20% dos pesquisados declararam freqüentar as lojas há menos de 3 meses e os demais fazem há mais tempo. Igualmente, apenas 21% começaram a acessar a rede há menos de um ano.

O Internauta quer conteúdo variado

A consulta revela que além do uso para comunicação, enviar e receber e-mails ou participar de sites de relacionamento, o usuário vem buscando informações culturais de diversas fontes. Ele assiste à programação de TV, ouve rádio e começa a programar viagens pela rede. E mais, o internauta da LAN house faz pesquisa para a escola e para a faculdade.

Um resultado que confirma uma tendência, especialmente entre os jovens, de consumir conteúdos de outras mídias através da WEB e mais, o desejo de também produzir conteúdo.

A principal atividade é a da comunicação, 9 em cada 10 entrevistados (93%) se conectam para trocar mensagens. Usam principalmente para enviar e receber e-mails (83%), participar de sites de relacionamento (76%) e, neste caso, é maior a proporção dos mais jovens, que têm até 24 anos, ou então para enviar mensagens instantâneas (55%), maior entre os que têm de 25 a 44 anos.

As consultas sobre lazer vêm em segundo lugar, cerca de 6 em cada 10 acessam a rede com esse fim. Embora para 42% dos entrevistados a principal atividade continue sendo jogar ou fazer download de jogos, igual proporção acessa portais de cultura, notícia e entretenimento. Parte do tempo em que estão nesses portais usam tanto para upload (principalmente para os que têm entre 25 e 44 anos) quanto para download de filmes (proporção maior para os jovens de 16 a 24 anos), músicas, fotos, softwares, ou assistir a programação da TV (audiência mais masculina) ou ainda ouvir rádio.

Esta tendência mostra que quanto maior for sinergia entre a mídia mais tradicional e a Internet, os produtores de conteúdos podem fortalecer a audiência e fidelização do usuário.

Em terceiro lugar na frequência de uso da rede são as buscas por informações e serviços on line, que nas LAN house pesquisadas representam 40% dos acessos. Depois vêm treinamento e pesquisas educacionais, objetivo de 1 em cada 3 dos internautas (34%).

Entre os entrevistados, os jovens até 24 anos informaram que fazem pesquisas para tarefas escolares e os acima de 25 procuram informações sobre cursos de graduação ou pós. Também declaram que usam o acesso para conferir a disponibilidade de livros na biblioteca e fazer o download de material disponível (principalmente os mais jovens).

No caso dos serviços on line, contam que tanto procuram por receitas, atualidades, como por emprego (envio de currículo) e pelos serviços públicos. Ainda fazem consultas sobre preços de produtos e serviços gerais ou às ofertas de viagem e hospedagem. O uso de serviços financeiros é a razão da conexão de 15% dos entrevistados.

Sites de Relacionamento e provedores de conteúdo são os preferidos

Entre os sites que os entrevistados costumam acessar os principais são os de relacionamento, como MSN e Orkut, os de busca, como o Google, e os de notícias, que também são provedores, como UOL e Terra. Conforme o resultado da pesquisa as mulheres e as pessoas entre 25 e 44 anos visitam com maior freqüência MSN e o Google, os jovens preferem o ORKUT enquanto os mais velhos procuram os portais de conteúdo UOL e o Terra.

As informações são da TV Cultura.