Informar

Alga substitui petróleo na produção de tinta ecológica

Por: Redação |

As algas crescem nos mares e em lagos, em variadas cores, que podem incluir tons de amarelo, verde e vermelho. De olho nesses pigmentos, dois cientistas norte-americanos, estudantes de doutorado em biologia celular e molecular, desenvolveram uma tinta ecológica à base dessa planta aquática.

Renovável e biodegradável, os cientistas fundaram a Living Ink, uma empresa de biomateriais. Querem usar tecnologias sustentáveis, à base de algas, para substituir produtos feitos com derivados do petróleo, como as tintas.

Clique aqui e conheça o projeto As Melhores Soluções Sustentáveis.

Cartões de aniversário e de visita com tinta ecológica
Crédito: PicasaCartões de aniversário e de visita com tinta ecológica

As tintas comuns para impressão, usadas em jornais, revistas, embalagens, materiais de escritório e etiquetas, são feitas principalmente de derivados de petróleo.Cerca de 4 bilhões de quilos de tinta são produzidos anualmente, uma produção que emite 13,2 bilhões de quilos de CO2, segundo a empresa. Já uma tonelada de alga absorve 2 toneladas de CO2 da atmosfera, afirmam.

Além disso, a tinta comum demora muito tempo para desaparecer. Ou seja, quando um papel impresso com tinta comum é jogado fora, num lixão, por exemplo, ela fica lá por muito tempo, contribuindo para poluir o ambiente.

A Living Ink oferece produtos como cartões de aniversário e convites impressos com tintas feitas de algas. O pacote com 10 cartões custa 20 dólares (R$ 65).

Crédito: PicasaPigmentos da alga viram tinta ecológica

Também produz descansos para copos e material de escritório. Cartões de visita, por exemplo, são feitos com papel de algodão e cortados manualmente.

Para a empresa, muitas pessoas não percebem o quanto de produtos derivados de petróleo estão presentes em diferentes objetos. Em algum momento, porém, o petróleo irá acabar e será preciso recorrer a outros tipos de matéria-prima, acreditam.

Leia também: Lego inicia produção de peças de montar de plástico verde

Curadoria: engenheiro Bernardo Gradin, especialista em soluções sustentáveis.