Informar

Arquiteta cria luminária de água salgada para comunidades sem luz

Por: Redação |

Banhado pelo Oceano Pacífico, o arquipélago das Filipinas, além de praias paradisíacas, possui profissionais que são referência em sustentabilidade. A arquiteta Aisa Mijeno é um exemplo: ela criou uma luminária de água salgada para solucionar o problema de comunidades costeiras sem acesso a energia elétrica.

Luminária de água salgada criada nas Filipinas custa R$ 70
Luminária de água salgada criada nas Filipinas custa R$ 70

A lâmpada ecológica funciona por até oito horas com apenas um copo de água com duas colheres de sal ou com água marinha.Além de sustentável, a luminária também é mais barata e segura que a de querosene, uma vez que não possui componentes que possam gerar fogo e emitir gases tóxicos.

Clique aqui e conheça o projeto As Melhores Soluções Sustentáveis.

Arquiteta Aisa Mijeno, que criou luminária que funciona com água salgada ou marinha
Arquiteta Aisa Mijeno, que criou luminária que funciona com água salgada ou marinha

A ideia de criar uma alternativa viável e sustentável de iluminação para moradores de áreas costeiras surgiu quando a arquiteta  conheceu a tribo Butbut, que vive sem eletricidade, assim como outras 1,2 bilhão de pessoas, segundo o Banco Mundial.

Para comercializar as luminárias além das Filipinas, ela criou a empresa SALt (Sustainable Alternative Lighting; iluminação sustentável e alternativa, em tradução livre), em sociedade com o irmão, Raphael Mijeno.

A lâmpada ecológica da SALt pode ser encomendada no site da marca por US$ 20 (R$ 70), mais frete ao Brasil. As entregas, contudo, ocorrem só a partir de junho.

Leia também: Aparelho fornece energia solar e internet a comunidades isoladas

Curadoria: engenheiro Bernardo Gradin, presidente da GranBio e especialista em soluções sustentáveis.