Informar

Botas inteligentes produzem eletricidade e funcionam como GPS

Por: Redação |

Você deve conhecer alguém que pise firme, com passos enérgicos. Dê a essa pessoa um novo tipo de calçado e ela fará maravilhas energéticas com suas pegadas: trata-se das botas inteligentes projetadas pela SolePower, uma startup de Pittsburgh, Pensilvânia, EUA. Elas produzem energia a partir das pisadas do usuário – em duas horas de andança, alimentam uma conversa de 60 minutos no smartphone.

E possuem mais outras tantas utilidades. Além de contar com dispositivos que transformam a energia cinética dos movimentos da caminhada em eletricidade, essas botas inteligentes são dotadas de sensores e dispositivos que as tornam muito úteis em indústrias, no exército e no corpo de bombeiros.

Elas podem, por exemplo, carregar um GPS que monitore a localização de um trabalhador na linha de produção. Em uma companhia de petróleo e gás, sua grande utilidade surge com a instalação de um detector de vazamentos, um aliado de muita importância para a segurança dos operários. Em regiões muito frias, o modelo pode ser dotado de medidores de temperatura que indiquem riscos de congelamento.

Clique aqui e conheça o projeto As Melhores Soluções Sustentáveis

As botas inteligentes produzem eletricidade e têm sensores que desempenham várias funções
As botas inteligentes produzem eletricidade e têm sensores que desempenham várias funções

O Exército americano já está no encalço da novidade. Afinal, ela é uma alternativa inteligente para reduzir o peso das baterias que os soldados geralmente transportam durante suas atividades. As botas servem ainda para controlar, via sensores, as condições físicas e o nível de fadiga dos militares. Tais recursos são aplicáveis também no trabalho dos bombeiros.A invenção da SolePower entrou com o pé direito no mercado e caminha a passos largos para multiplicar seu número de usuários graças a um aporte de US$ 1 milhão (R$ 3.397.100), proveniente do próprio Exército e de outros investidores.

Leia também: Conheça o skate feito com madeira descartada

Curadoria: engenheiro Bernardo Gradin, especialista em soluções sustentáveis.