Caixinha de leite reciclada protege casas da chuva e do vento

Projeto Brasil Sem Frestas usa embalagens longa vida para costurar placas que revestem paredes e tetos de moradias precárias

Por: Redação Comunicar erro

A gente mal percebe aquela fresta da porta ou da janela até que chega o dia que a água ou o vento tentam invadir nossas casas.

Porém, muitas moradias precárias, feitas de tapumes e lonas, são cheias dessas aberturas indesejadas.

Por isso, o projeto Brasil Sem Frestas usa caixinha de leite reciclada para revestir as paredes e o teto dessas residências.

Como resultado, além de fechar os buracos, elas criam um efeito de isolamento térmico, que traz mais conforto a quem está do lado de dentro.

As placas de embalagens longa vida também dificultam a entrada de insetos e animais peçonhentos
Crédito: DivulgaçãoAs placas de embalagens longa vida também dificultam a entrada de insetos e animais peçonhentos

O projeto surgiu no Rio Grande do Sul, mas foi em Curitiba que cresceu e se instalou de vez.

Voluntários – que hoje chegam a 130 – coletam as embalagens longa vida, separam por tamanho, abrem e as costuram umas nas outras, para formar as placas de revestimento.

O lado da caixinha de leite que tem alumínio fica voltado para dentro
Crédito: DivulgaçãoO lado da caixinha de leite que tem alumínio fica voltado para dentro

Em dias determinados, eles levam todo o material necessário para a casa selecionada.

E assim cobrem tudo com as placas, usando grampeadores de pressão.

Clique aqui e conheça o projeto As Melhores Soluções Sustentáveis

Casa de tapumes de madeira ganha um ambiente melhor com o trabalho do projeto
Crédito: DivulgaçãoCasa de tapumes de madeira ganha um ambiente melhor com o trabalho do projeto

Uma típica embalagem de leite longa vida é formada por camadas de papel cartão, polietileno e folha de alumínio.

Segundo o site do projeto, o papel cartão proporciona estabilidade e resistência. É sobre sua superfície que os fabricantes imprimem o nome e as informações sobre os produtos.

Além disso, o polietileno protege da umidade extrema. E o alumínio abriga o produto do oxigênio e da luz, preservando sabor e valor nutricional.

As caixas de leite são costuradas por voluntários
Crédito: DivulgaçãoAs caixas de leite são costuradas por voluntários

Da mesma forma, nas placas costuradas pelo projeto, o lado com o alumínio fica para dentro, o que traz melhor impermeabilização e um clima mais agradável.

O isolamento térmico chega a 8 oC, afirma o projeto.

O Brasil Sem Frestas já atuou em 86 casas. Há postos de coleta em Curitiba, para arrecadar as caixas e outros materiais, como grampos, luvas e tesouras.

Quem não é de Curitiba também pode colaborar, enviando o material pelo Correio.

As caixas de leite recicladas são separadas por voluntárias, que cortam as embalagens
Crédito: DivulgaçãoAs caixas de leite recicladas são separadas por voluntárias, que cortam as embalagens

O projeto está crescendo, e hoje conta com “multiplicadores” em outros municípios do país, como São Paulo (SP), Santos (SP), Caxias do Sul (RS), Chapecó (SC) e Salvador (BA).

Além de melhorar o ambiente no interior das casas, o Brasil Sem Frestas ainda contribui para evitar que essas embalagens terminem em lixões.

Isso porque, na natureza, elas demoram 200 anos para se decompor.

Leia também: Hospital faz reciclagem de orquídeas descartadas pelos pacientes

Curadoria: engenheiro Bernardo Gradin, presidente da GranBio e especialista em soluções sustentáveis.

Compartilhe: