Entreter

Cenoura e beterraba tornam concreto mais resistente e sustentável

Material extraído da fibra de raízes leguminosas ajuda a reduzir emissões de carbono da indústria da construção civil

Por: Redação

Legumes são bons para a saúde e agora podem ser matéria-prima para a construção de prédios mais sustentáveis. Uma pesquisa que está sendo desenvolvida pela Universidade de Lancaster, em parceria com a empresa Cellucomp, ambas do Reino Unido, aponta que a adição de nanoplaquetas extraídas da fibra de raízes leguminosas, como cenoura e beterraba sacarina, à mistura de cimento resulta em um concreto mais resistente.

Da fibra da cenoura e da beterraba são extraídas nanoplaquetas que, adicionadas à mistura de cimento, resultam em um concreto mais resistente
Crédito: NatalyaBond/ShutterstockDa fibra da cenoura e da beterraba são extraídas nanoplaquetas que, adicionadas à mistura de cimento, resultam em um concreto mais resistente

A novidade é bem vista porque a indústria da construção civil precisa urgentemente cortar suas emissões de gases de efeito estufa, mas a produção de cimento é muito intensiva em emissões: segundo a universidade, ela responde por 8% das emissões globais de CO2, e a previsão é que o volume emitido dobre em 30 anos. O concreto é feito com a mistura de cimento, água, pedra e areia (o cimento, misturado com água, vira uma pasta que se une a pedra e areia e forma um bloco monolítico).

O concreto com esse material é mais forte e tem menos risco de sofrer rachaduras
Crédito: Bannafarsai Stock/ShutterstockO concreto com esse material é mais forte e tem menos risco de sofrer rachaduras

Como as nanoplaquetas oriundas da cenoura e da beterraba tornam o concreto mais resistente, pode-se usar menos dele na construção civil, o que resultaria, por sua vez, em menos emissões de CO2. Segundo a pesquisa, o uso de nanoplaquetas resultou na economia de 40 quilogramas de cimento Portland comum por metro cúbico de concreto.

Clique aqui e conheça o projeto As Melhores Soluções Sustentáveis

Testes também mostraram que as nanoplaquetas melhoram significativamente as propriedades mecânicas do concreto, que apresentou um desempenho melhor do que outros aditivos de cimento disponíveis no mercado, como o grafeno, material composto por átomos de carbono e que é muito resistente. Quando elas são adicionadas à mistura de concreto normal, a quantidade de hidrato de silicato de cálcio –responsável por torná-lo mais forte – aumenta. O custo também é menor.

Outro ponto positivo para essas nanoplaquetas é que elas ajudam a impedir o aparecimento de rachaduras no concreto.

A pesquisa conta com o apoio de 195 mil libras (R$ 976 mil) do fundo Horizon 2020, da União Europeia. O projeto também envolve pesquisas para acrescentar placas muito finas feito de nanoplaquetas vegetais a estruturas de concreto, para reforçar sua resistência.

Leia também: MIT fortalece concreto com plástico reciclado

Curadoria: engenheiro Bernardo Gradin, presidente da GranBio e especialista em soluções sustentáveis.