Informar

Floriculturas plantam iniciativas verdes para diferenciar negócio

Por: Redação

Se o mundo dos negócios nem sempre é um mar de rosas, muitas vezes o uso de estratégias pouco comuns e bastante eficientes permite que empreendedores inventivos nadem de braçada em meio à concorrência. E, para não dizer que não falamos das flores, elas são o tema no quesito das iniciativas ambientalmente amigáveis que diferenciam algumas empresas no segmento dos buquês e afins. Trata-se das floriculturas verdes, que reciclam sobras de arranjos e utilizam meios sustentáveis de distribuição e vendas.

A Flor+1 é uma das floriculturas que encampam iniciativas sustentáveis no segmento
A Flor+1 é uma das floriculturas que encampam iniciativas sustentáveis no segmento

Uma das novidades que têm florescido nessa seara é a da floricultura Flor+1, fundada pela economista Marina Porto, de 23 anos. Ela partiu de uma questão que está a poucos palmos – olfativos – de nossos narizes, mas da qual geralmente não nos damos conta: para onde vão as flores que ornamentam casamentos, festas corporativas e afins? O que acontece com elas no dia seguinte a esses eventos?

Elas ganharam um destino mais florido com o empreendimento de Marina: a Flor+1 recompõe lírios, orquídeas e astromélias, espécies que costumam durar mais, em buquês que vão enfeitar estabelecimentos comerciais como clínicas e restaurantes, a preços que chegam a ser 50% menores que os usuais.

A empresária conta com a parceria de floristas e decoradores, que fornecem a matéria-prima para o negócio, sediado em São Paulo. E a reutilização das flores não é a única contribuição da Flor+1 em termos de sustentabilidade. Parte do resultado das vendas é destinada a ajudar ONGs e institutos de apoio social.

Entre as floriculturas sustentáveis, a Florinda se destaca pela presença em eventos com seus produtos

Clique aqui e conheça o projeto As Melhores Soluções Sustentáveis.

Também em São Paulo, outra empresária, a cozinheira Gabriela Cardia, 31, sabe bem em que canteiro está pisando ao aplicar o conceito de “food truck” na venda de flores. E sem “truck”, ou qualquer veículo que use combustíveis fósseis, para poluir o ambiente: a marca da qual é sócia, a Florinda, leva cravos, lisiantos e ramos de eucalipto de bike a feiras livres, casamentos e eventos corporativos.

Na aquisição da bicicleta e para acoplá-la a uma carreta de transporte, Gabriela gastou R$ 12 mil. Em 2017, a Florinda faturou R$ 385 mil, e o sucesso do negócio também se deve à popularidade conquistada com a mobilidade das flores. Se a economia não está um mar de rosas, as floriculturas verdes têm colhido bons resultados a partir de ideias originais e sustentáveis como essas.

Leia também: Bike de bambu une arte e sustentabilidade

Curadoria: engenheiro Bernardo Gradin, especialista em soluções sustentáveis.