Informar

Internautas comandam robô que coleta lixo de rio

Equipado com uma câmera, ele empurra resíduos que boiam na água até um local onde eles possam ser recolhidos

Por: Redação

A Urban Rivers está desenvolvendo um jogo online para minimizar o problema de descarte de resíduos do rio Chicago, na cidade norte-americana de mesmo nome. Com ele, o internauta poderá comandar, remotamente, um robô que coleta lixo. Com a ajuda de uma rede, ele empurra latas, plásticos e outros objetos que boiam na água até um local onde eles possam ser recolhidos.

Para tornar a ideia realidade, a organização sem fins lucrativos lançou um financiamento coletivo , que atingiu, em março, o valor inicial almejado, de US$ 5.000, permitindo o início do projeto. A campanha segue em aberto, pois, caso consigam chegar ao valor de US$ 10 mil, a equipe quer montar um segundo robô.

Uma câmera permite acompanhar a movimentação do robô que coleta lixo
Uma câmera permite acompanhar a movimentação do robô que coleta lixo

Chamado de trash robot ou trashbot, o robô foi inventado, inicialmente, para resolver um problema que a ONG encontrou ao instalar jardins flutuantes às margens do rio. Esse trecho fará parte do Wild Mile, um ecoparque de 1,6 km sobre a água, a ser concluído até 2020. Terá florestas, pântanos, passarelas e pontos de atracagem de caiaques.

Os jardins abrigam espécies nativas, para atrair aves e peixes

Logo, porém, a Urban Rivers descobriu que o lixo trazido pela correnteza ia parando e se acumulando ali.  De início, alguém ia até o local, de caiaque, para limpar. Mas, como os resíduos se juntavam rapidamente, resolveram testar um robô. A ideia não só deu certo como resultou em um jogo online para coletar lixo do rio.

Clique aqui e conheça o projeto As Melhores Soluções Sustentáveis.

Com os jardins flutuantes, a Urban Rivers quer melhorar a qualidade da água e incentivar a comunidade local a cuidar e valorizar o rio. Há uma variedade de plantas nativas da região, encontradas em pântanos e pradarias, para atrair e servir de abrigo a aves, peixes, tartarugas e insetos.

Abóbora que cresceu no jardim sobre o rio Chicago

Não há solo: as plantas crescem com os nutrientes trazidos pelo rio. É como uma aquaponia, que a Urban Rivers chama de “river-ponics”. Ervas e legumes também estão sendo plantados, e serão testados para verificar a qualidade.

Todo o desenho e aprendizados serão disponibilizados (open source) para quem quiser reproduzir a iniciativa.

Leia também: Robô que detecta incêndios em tempo real age em raio de até 15 km

Curadoria: engenheiro Bernardo Gradin, presidente da GranBio e especialista em soluções sustentáveis.