Campanha por preservação da Amazônia invade série televisiva

Marca de produtos de beleza realiza vinhetas sobre sua colaboração com comunidades da floresta que são veiculadas nos intervalos de "Aruanas", da Globo

Por: Redação |

Muita gente se arrisca pela conservação da biodiversidade no planeta. Por sinal, o trabalho dos ativistas passa a ser mais valorizado pela TV e pela publicidade. É o que vemos em “Aruanas”, série brasileira de ficção que mostra iniciativas de preservação da Amazônia.

Catraca Livre criou o projeto Causando, apoiado pelo Carrefour, para mostrar como as marcas desenvolvem e assumem causas.

A série Ararunas fala da preservação da Amazônia também nos intervalos comerciais
Crédito: DivulgaçãoA série “Aruanas” fala da preservação da Amazônia também nos intervalos comerciais

Uma marca de cuidados com o corpo sinalizou que se preocupa também com o ambiente ao patrocinar a série – uma produção entre Globo e Maria Farinha Filmes, que será veiculada pela plataforma de streaming Globo Play.

Nas vinhetas de abertura e nos intervalos de cada episódio, a Natura promove a reflexão “O que uma marca de beleza pode fazer pela Amazônia”.

São vídeos de 30 segundos de duração produzidos em parceria com a agência Africa.

Esses filmes mostram o compromisso da empresa com comunidades fornecedoras de ingredientes da região amazônica.

Por sinal, esse trabalho contribui para a preservação da Amazônia: é uma forma de conservação de cerca de 1,8 milhão de hectares de floresta.

Além dos vídeos, a Natura vai promover a campanha nas mídias digitais.

Aliás, a própria produção da série “Aruanas” se preocupou com a preservação da Amazônia.

Entre outras iniciativas, 90% das roupas dos figurinos foram reutilizadas. Um terço do elenco, incluindo 2.000 figurantes, foi recrutado entre pessoas que moravam na região da Floresta Amazônica.

Nomes como Taís Araújo, Debora Falabella, Leandra Leal, Camila Pitanga e Thainá Duarte são os destaques da série, a ser lançada no dia 2 de julho em mais de 150 países.

“Aruanas” também será disponibilizada para venda em uma plataforma do Vimeo, pelo valor de US$ 12,90 (R$ 50). Entre julho e outubro, 50% das vendas serão doadas para uma iniciativa de preservação da Amazônia.

Leia também: Projeto valoriza trabalho realizado por cafeicultoras do Brasil

Compartilhe: