Dimenstein: Bolsonaro rasga dinheiro? Talvez sim. E bilhões.

Por: Gilberto Dimenstein | Comunicar erro

Jair Bolsonaro justificou por que não convidou Cuba e Venezuela para sua cerimônia de posse: são ditaduras.
Verdade: são ditaduras.
Mas, a seguir esse critério, também não poderiam ser convidados países como a China, Rússia, Arábia Saudita, Egito e Coreia do Norte?
São países em que a liberdade individual está longe de ser respeitada.
Não tem coerência. Ou se vetam todos os países em que não existe democracia ou não faz sentido.
Qual a grande diferença entre Coreia do Norte ou Cuba? Ou entre Venezuela e China? Aliás, como se sabe, Rússia é um grande apoiador da Venezuela e extermina inimigos políticos.
Uma das promessas de Bolsonaro era tirar a ideologia do Itamaraty – algo muito criticado ( e com razão) nos tempos do PT.
Agora, por causa das ideologias, estamos arriscados a perder bilhões de dólares em conflito com China, Europa e países muçulmanos.
Se alguns paises implicarem com nossas posturas sobre meio ambiente, nossas exportações de produtos agrícolas pode despencar.
Colocar a embaixada em Jerusalém é mais um foco desnecessário de conflito com o mundo árabe, grande importador de carne.
Pode-se confiar em Donald Trump. Mas ele compensa essas perdas. E se ele perder as próximas eleições?

Compartilhe:

Autor: Gilberto Dimenstein

Jornalista, educador e fundador da Catraca Livre.