Primavera: conheça flores comestíveis com propriedades nutritivas

Alcachofra, brócolis e couve-flor são mais conhecidas, mas outras lindas flores podem ser comidas e, além de tudo, são nutritivas

Por: Redação
Crédito: Montagem sobre fotos PixabayPrimavera: conheça flores comestíveis e suas propriedades nutritivas

Muita gente gosta, mas poucos sabem que brócolis, alcachofra e couve-flor são, na verdade, flores comestíveis. E esses vegetais não estão sozinhos embelezando os pratos pelo Brasil. Outras flores, além de não fazerem mal à saúde, têm propriedades nutritivas.

Segundo estudiosos, as flores comestíveis não têm efeitos tóxicos se consumidas em quantidades moderadas, mas é necessário sempre ter cuidado ao comer itens com os quais não estamos acostumados. Além disso, não há muitos estudos sobre o tema.

“É importantíssimo lembrar que as flores utilizadas na alimentação não são as mesmas comercializadas em floriculturas, pois estas são cultivadas com produtos químicos que podem causar sérios problemas para a saúde”, explica o pesquisador Giulio Cesare Stancato. “As flores comestíveis devem ser adquiridas de produtores especializados, que não utilizam qualquer tipo de agrotóxico ou outro tratamento químico no seu cultivo. Além disso, é fundamental saber que não são todas as espécies que podem ser ingeridas. Existem flores que apresentam princípios tóxicos e não devem ser usadas na alimentação de forma alguma”, alerta.

Saiba mais sobre as flores comestíveis:

Alcachofra

Crédito: Capri23auto/PixabayAlcachofra

Essa deliciosa flor é digestiva, desintoxicante, diurética e ajuda quem precisa emagrecer. Além disso, combate a anemia e previne problemas no coração e no fígado. É fonte de fibras, vitamina C, potássio, magnésio e ferro.

Apesar de todas as suas qualidades, a alcachofra deve ser evitada por gestantes, porque parte de seus compostos pode contribuir para a coagulação do leite.

Amor-perfeito

Crédito: Klaus Montag/PixabayAmor-perfeito

O amor-perfeito é uma das flores comestíveis que mais apresenta compostos bioativos e ação antioxidante. Como também tem propriedades anti-inflamatórias, combate doenças da pele e, segundo algumas pesquisas, age até mesmo contra o câncer.

Também é utilizada no tratamento de bronquite e asma, além de ser diurética e rica em flavonoides — componentes muito importantes para a manutenção de nossa saúde.

Suas pétalas praticamente não têm sabor e, se a flor inteira for usada, possui aroma e sabor suaves. Pode ser ingrediente de bebidas, saladas de frutas, sopas e carnes.

Brócolis

Crédito: Olinej/PixabayBrócolis

Com ação antioxidante, o brócolis elimina toxinas e combate os radicais livres. Como é rico em magnésio e cálcio, ajuda a regular a pressão arterial e a manter o coração saudável.

Abundante no vegetal, a vitamina B9 (ou ácido fólico) eleva a imunidade, auxilia o sistema nervoso e ajuda a desenvolver as células sanguíneas. Tem, ainda, minerais, potássio, ferro, zinco, vitaminas A, C, B1, B2, B6 e K e folato.

Assim, atua contra prisão de ventre, anemia, úlcera, gastrite e até câncer. Como não bastasse, possui uma substância chamada sulforafano, que elimina bactérias do pulmão, auxiliando ex-fumantes a expelir substâncias nocivas e favorecendo o sistema respiratório.

Calêndula

Crédito: Mabel Amber Still Incognito/PixabayCalêndula

Rica em óleos essenciais, triterpenoides, vitamina C34 e flavonoides, a Calendula officinalis era muito utilizada na Idade Média para tingir sopas devido à sua coloração igual à do açafrão. Suas pétalas possuem gosto apimentado que lembra o limão e podem ser misturadas com arroz, peixe, sopas, queijos, iogurtes e omeletes.

Também possui luteína, relacionada à prevenção da catarata e da degeneração macular, além de auxiliar no combate à diabetes e estimular o sistema imunológico.

Tem, ainda, ação gastroprotetora, anti-inflamatória, imunoestimulante, bactericida, antiviral, antiprotozoária e antineoplásica.

O consumo da calêndula não é indicado a pessoas com hipersensibilidade a plantas da família Asteraceae/Compositae, gestantes ou lactantes.

Capuchinha

Crédito: Cor Gaasbeek/PixabayCapuchinha

Ela é usada em saladas e sucos e embeleza muitos pratos. Suas flores amarelas, alaranjadas e vermelhas têm gosto que lembra pimenta.

A capuchinha possui teores consideráveis de vitamina C e compostos fenólicos (que têm ação antioxidante). Como a calêndula, também tem luteína e potencial anti-inflamatório. Combate dores e problemas respiratórios e da bexiga, além de prevenir o câncer.

Couve-flor

Crédito: Maryjanesattic/PixabayCouve-flor

É um alimento de baixa caloria e rico em fibras, que ajudam no bom funcionamento do intestino e promovem saciedade.

Também é rica em vitamina C, um poderoso antioxidante que fortalece o sistema imunológico. Já suas vitaminas do complexo B são conhecidas como ótimas aliadas do sistema nervoso.

Além disso, contém sulforafano, que atua contra a gastrite e o crescimento de tumores.

A couve-flor é, ainda, benéfica para os músculos e para a pressão arterial devido ao seu alto teor de potássio. Fonte de vitamina K e cálcio, faz bem também para os ossos. Tem poderes anti-inflamatórios.

Fontes: SPDM, Patrícia Maria Vieira (nutricionista e mestre em ciências da saúde – Unesp), Giulio Cesare Stancato (IAC) e Revista Brasileira de Nutrição Funcional

Compartilhe: