Israel constrói a maior torre de energia solar do mundo

Por: Redação Comunicar erro

Israel está construindo a maior torre de energia solar do mundo. Localizada no meio do deserto de Neguev, sua estrutura possui 240 metros de altura e atenderá a mais de 120 mil famílias israelenses. O projeto deve ser finalizado até 2017.

Conhecida pela sigla CSP (Concentrated Solar Power, Energia Solar Concentrada ou simplesmente Ashalim, nome dado à torre) o projeto, que teve início em 2013, não operará diretamente com a geração de energia elétrica, como no caso das conhecidas células solares fotovoltaicas.

377548EC00000578-3751951-image-a-69_1471808152482
A estrutura possui 240 metros de altura e atenderá a mais de 120 mil famílias israelenses

A tecnologia utilizada na CSP conta com heliostats, placas que utilizam um espelho para convergir a luz do sol em uma determinada direção.

A radiação solar é direcionada para a torre central, que contém uma mistura de sal fundido, e quando em contato com a água, produz vapor em seu interior compondo a força motriz para a geração de energia. O vapor aciona as turbinas e os geradores de energia elétrica, e mesmo em dias de baixa incidência solar, os sofisticados dispositivos de armazenamento térmico mantém toneladas de sal fundido a temperaturas elevadas, dando continuidade ao processo e garantindo a operação durante 24 horas por dia.

Heliostats

Ashalim contém aproximadamente 50 mil heliostats, todos controlados por computadores –ao invés de cabos– e medindo até 20 metros quadrados cada, instalados em uma área superior a 3 quilômetros quadrados. A expectativa de geração de energia da construção é de 300 MW, o que equivale a cerca de 2% da energia consumida em Israel. Para o meio ambiente, o impacto da mega construção é muito animador, já que evitará a emissão de 110 mil toneladas de CO2 por ano na atmosfera.

Orçado em US$ 773 milhões, com 80% dos recursos provenientes do Noy Fund, maior fundo de infraestrutura de Israel, o projeto é apenas um dentre os demais que visam a produção de um mínimo de 10% de energia limpa no país até 2020.

Com informações do AlefNews

Compartilhe: