Uma paradisíaca ilha chamada Curaçao

Por: Pra Onde vai Agora? | Comunicar erro

A ilha de Curaçao é um destino múltiplo: multi-colorido, multi-cultural e, sobretudo, repleto de multi-maravilhas. Ainda assim, por alguma razão incompreensível, muitos brasileiros ainda não fazem a menor ideia a respeito das belezas e qualidades deste cantinho incrível no Caribe.

Origens

Para começar a compreender Curaçao, antes de mais nada é preciso saber o seguinte: Até 2010 o destino pertencia às extintas Antilhas Holandesas. Atualmente se trata de um país independente constituinte do Reino dos Países Baixos que também é composto pela Holanda, na Europa, além de Aruba e São Martinho, também localizados no Caribe.

Situada a apenas 70 km de distância do norte da Venezuela, entre as ilhas de Aruba e Bonaire, Curaçao foi descoberta apenas um ano antes do Brasil (1499) pelos espanhóis. A ilha só passou ao domínio holandês em 1634, quando uma expedição comandada por Jan Willem Wahlbeeck conquistou o local.

A partir dessa data, Curaçao tornou-se o centro do comércio escravo, trazidos ali para serem distribuídos aos fazendeiros de outras ilhas no Caribe.

Bon bini, dushi*

Justamente por conta destas características históricas, Curaçao se tornou um destino que, mais do que infinitas belezas naturais, conquista o turista com peculiaridades muito distintas. Um bom exemplo disso é o fato de na ilha se falar quatro idiomas: holandês, espanhol, inglês e o diferente e sonoro papiamento.

O idioma foi criado pelos escravos que trabalhavam na lavoura de cana-de-açúcar trazidos de lugares como Guiné-Bissau, Cabo Verde e São Tomé e é uma mistura de português, espanhol e holandês. Segundo os locais, o idioma teve sua origem para que fosse possível conversar sem que os senhores de escravos pudessem compreender o que era dito.

Para os brasileiros o papiamento não chega a ser assustador já que muitas palavras são muito parecidas com o português. Poucos dias já são suficientes para que os mais atentos consigam compreender boa parte do que é falado.

Uma das palavras mais populares no país é a fofa “dushi” que significa ‘doce’, ‘querido’, e é utilizada para se referir carinhosamente a uma pessoa e também representa tudo de bom, bonito, legal e gostoso: da roupa ao sol. Ah, os curaçalenhos…

*Tradução do título: ‘Bem-vindo, querido’.

Sol, calor e mar azul turquesa

Paraíso. Não há nenhuma outra palavra que traduza os 444 km² de Curaçao melhor do que esta. Seus sortudos 145 mil habitantes e os turistas têm a sua disposição 34 praias de águas cristalinas e tão belíssimas que impressionam e encantam logo à primeira vista.

Na ilha há duas modalidades de praias, as públicas e as privadas, nas quais é preciso pagar para desfrutar. No entanto, não há necessidade de ficar apreensivo com esta informação, pois estas praias não possuem entrada a preços abusivos. Em média o valor cobrado para a entrada no local é de cerca de 5 florins (em torno de R$8) por pessoa.

Uma das praias privadas mais famosas e procuradas é a Porto Mari. Com areia branca e mar verdinho quase sem ondas e que mais parece uma piscina, o local é repleto de mergulhadores em busca da visibilidade perfeita para observar a abundante vida marinha de Curaçao. Na praia é possível alugar o equipamento completo para mergulho. Caso prefiro apenas praticar snorkeling, as claríssimas águas também permitem visualizar milhares de peixes.

Outra maravilhosa opção de praia é Cas Abau. Pelo preço de 10 florins por carro com até quatro pessoas, o local, assim como quase tudo em Curaçao, oferece uma paisagem deslumbrante. A água é uma mistura de tons que vão do verde ao azul, cores que facilmente poderiam ter saído do quadro de algum pintor impressionista.

Entre as praias públicas, uma das mais bonitas e procuradas é Kenepa Grandi. Localizada no norte da ilha (a cerca de 45 minutos do centro de Willemstad) a praia é delimitada por pedras enormes nas duas extremidades, o que torna a paisagem ainda mais deslumbrante. O caminho até a areia é uma atração a parte: um mirante oferece a vista ideal de toda praia e permite fazer fotos maravilhosas. Se existe algo a ser dito do mar de Kenepa seria algo como: não dá vontade de sair da água nunca mais. Com ondas amenas e água na temperatura ideal é realmente muito difícil ter iniciativa para ir embora.

Ao contrário do que estamos acostumados no Brasil, em Curaçao as praias públicas possuem regras que devem ser respeitadas. Não é permitido ouvir som alto, pescar, fazer churrasco, deixar lixo na praia e nem levar cachorros.

Passear de barco também é uma maneira deliciosa de aproveitar as belezas de Curaçao. Várias empresas oferecem passeios a preços diversos que podem incluir alimentação e bebidas, além de paradas em pontos maravilhosos para conhecer a ilha por um ângulo diferente.

Qualquer época do ano é favorável para conhecer a Ilha. Curaçao tem uma longa estação seca nos meses de janeiro a setembro, enquanto a estação ‘chuvosa’ é curta e dura de outubro a dezembro.

Na realidade, as chuvas não estragam a viagem de ninguém, pois além de raras, tendem a ser muito rápidas.

Tuka Pereira, do blog Pra Onde Vai Agora?, viajou a convite da Copa Airlines e do Curaçao Tourist Board

Compartilhe:

Autor: Pra Onde vai Agora?

Se desta vida não se leva nada, vamos sair pelo mundo e coletar memórias de lugares maravilhosos! Pra onde você vai agora?

Termos da rede:

Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do usuário Pra Onde vai Agora? da Rede Catraca.

O Catraca Livre disponibiliza espaço no site para que qualquer interessado possa contribuir com cidades mais acolhedoras, educadas e criativas, sempre respeitando a diversidade de opiniões.

As informações acima são de responsabilidade do autor e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.