Do novo ao novo cinema argentino – Birra, crise e poesia

Com uma produção cinematográfica intensa e ainda pouco conhecida no país, a mostra, que vai até o dia 6 de setembro no CCBB, pretende diminuir a distância entre o público brasileiro e o cinema argentino.

Bastante respeitado lá fora, premiado nos Festivais de Cannes e Berlim, o cinema argentino é considerado um dos melhores da atualidade. A mostra exibe 27 filmes de dois diferentes períodos: de 1954 a 1964, do chamado Nuevo Cine (Novo Cine) e do que teria sido a “retomada”, de 1997 aos dias de hoje, também chamado por críticos e historiadores de Nuevo Cine.

Os cineastas do segundo período não consideram o cinema que fazem de “Nuevo Cine”. Porém a mostra se propõe a fazer uma análise comparativa entre os dois períodos e, a partir dela, apresentar ao espectador brasileiro filmes que pontuam parte da história daquela cinematografia e que não deixam de ter em comum alguns elementos como a poesia e a política. A mostra também conta com a presença de diretores e produtores argentinos e professores brasileiros em vários debates.

Compartilhe: