Claudio Etges

Créditos: Claudio Etges

Gilberto Gawronski encena monólogo, de autoria do argentino Lautaro Vilo

A história de Armin Meiwes, que matou e devorou um homem em 2001, na Alemanha, com permissão da vítima, é a inspiração para o espetáculo “Ato de comunhão”, que volta aos palcos cariocas, desta vez para uma curta temporada no Sesc Tijuca. O monólogo do argentino Lautaro Vilo é estrelado por Gilberto Gawronski e narra três momentos o a Gawronski, que também dirige a peça ao lado de Warley Goulart, uma indicação ao Prêmio Shell de Melhor Ator.

“Ato imprimindo uma linguagem contemporânea. A peça coloca em cena questões como solidão, em que realidade e ficção se confundem. Armin Meiwes, que ficou conhecido como o “Canibal de Rotemburgo”, publicou um anúncio na internet procurando alguém que concordasse em ser morto e devorado. O engenheiro de computação Bernd Jürgen Brandes atendeu voluntariamente a convocação do ritual de canibalismo e foi assassinado. Em 2006, Meiwes foi condenado à prisão perpétua.

Monólogo teatral "Ato de comunhão"

04 Jan
a
03 Fev

  • de 04/01 a 03/02
    • Sextas, Sábados e Domingos às 19:00

Sesc Tijuca
Rua Barão de Mesquita, 539 Andaraí - Oeste Rio de Janeiro - RJ (21) 3238-2139
R$ 16
R$4 (associados ao Sesc), R$ 8 (meia-entrada)