Daqueles passeios que poucos cariocas se aventuraram a fazer, o Sítio Burle Marx é uma parada obrigatória para quem ama natureza, arte e paisagismo. Nos 400 m² de área verde está concentrada uma das mais importantes coleções de plantas vivas existentes no mundo. Pode acreditar?

Quem vai até esse lugar lindo precisa de duas coisas essenciais: máquina fotográfica e repelente. Sério. Tomei umas 20 picadas durante o passeio, em especial na última descida. De resto, vai feliz. O espaço todo é muito bem cuidado e a guia sabe tudo de botânica e da vida e obra de Roberto Burle Marx.

1/13

Crédito da imagem: Leo de França

O Sítio Burle Marx e sua exuberância natural

2/13

Crédito da imagem: Leo de França

Uma visita que vale muito <3 Essa é a Julia

3/13

Crédito da imagem: Gabriela Rassy

Paisagismo com pedras de demolição

4/13

Crédito da imagem: Gabriela Rassy

Ninféia, sua linda!

5/13

Crédito da imagem: Leo de França

Totem na entrada da capela

6/13

Crédito da imagem: Gabriela Rassy

Capela feita por Carlos Leão é do século 17, como a casa

7/13

Crédito da imagem: Leo de França

Ela ainda recebe missas até hoje

8/13

Crédito da imagem: Gabriela Rassy

Olha esses espetáculo da natureza <3

9/13

Crédito da imagem: Leo de França

A casa onde Burle Marx Viveu

10/13

Crédito da imagem: Leo de França

Coleção de arte brasileira, com cerâmicas do Vale do Jequitinhonha, de Minas Gerais

11/13

Crédito da imagem: Gabriela Rassy

Lustre feito por Burle Marx com plantas secas

12/13

Crédito da imagem: Leo de França

Eucalipto Arco-íris: apaixonante

13/13

Crédito da imagem: Leo de França

Os lagos que compõe o jardim

  • Crédito da imagem: Leo de França

    1/13

    O Sítio Burle Marx e sua exuberância natural

  • Crédito da imagem: Leo de França

    2/13

    Uma visita que vale muito <3 Essa é a Julia

  • Crédito da imagem: Gabriela Rassy

    3/13

    Paisagismo com pedras de demolição

  • Crédito da imagem: Gabriela Rassy

    4/13

    Ninféia, sua linda!

  • Crédito da imagem: Leo de França

    5/13

    Totem na entrada da capela

  • Crédito da imagem: Gabriela Rassy

    6/13

    Capela feita por Carlos Leão é do século 17, como a casa

  • Crédito da imagem: Leo de França

    7/13

    Ela ainda recebe missas até hoje

  • Crédito da imagem: Gabriela Rassy

    8/13

    Olha esses espetáculo da natureza <3

  • Crédito da imagem: Leo de França

    9/13

    A casa onde Burle Marx Viveu

  • Crédito da imagem: Leo de França

    10/13

    Coleção de arte brasileira, com cerâmicas do Vale do Jequitinhonha, de Minas Gerais

  • Crédito da imagem: Gabriela Rassy

    11/13

    Lustre feito por Burle Marx com plantas secas

  • Crédito da imagem: Leo de França

    12/13

    Eucalipto Arco-íris: apaixonante

  • Crédito da imagem: Leo de França

    13/13

    Os lagos que compõe o jardim

O lugar serviu para guardar as espécies que o artista encontrava em suas viagens, além de ter servido para que ele fizesse testes de paisagismo. Logo na entrada, já dá para ver um pouco da ideia do artista para o jardim, bem diferente dos montados ao estilo francês - como a Praça Paris, na Glória. Por ali não tem linhas retas e bem delimitadas entre uma espécie e outra. Todas são plantadas de uma forma a misturar texturas e cores, tudo fluindo em movimento.

Cada época do ano dá para pegar alguma floração nova. Destaque para a área da capela, que tem um lago formado por pedras de demolição e com ninféias espalhadas pela água. Uma coisa! Além disso tem um totem que compõe o outro lado da construção e faz desse espaço um verdadeiro santuário. Outra espécie para admirar é o Eucalipto Arco-íris. Das árvores mais lindas que já vi na vida, com o caule em camadas coloridas.

Roberto era realmente um cara muito criativo e por lá dá para ver cada detalhe dessa qualidade. Tem pinturas dele espalhadas por diversos locais, desde paredes até quadros, lençóis, painéis, além de esculturas e objetos para a casa. Uma luminária incrível feita com plantas secas do próprio sítio é só uma das provas dessa criatividade toda. Formado em belas artes, ele ainda cantava ópera, tocava piano, falava 6 idiomas, cozinhava. Como bem disse a guia Mariana Murakami, quase um renascentista.

Quem tiver bons joelhos, pode voltar pela escadaria final que - apesar do ataque de pernilongos - dá uma vista lindíssima dos lagos. São muitos degraus, mas pra baixo diz que o santo ajuda, certo? Outra passagem que vale a pena é pelos dois sobrais, com plantas que precisam de sombra, como samambaias gigantescas.

Em um passeio de 1h30, que pode ser agendado às 9h30 ou às 13h30, dá para conhecer um pouco dos exemplares que Burle Marx reuniu, além de obras de arte, a capela fofíssima e a própria casa onde o artista viveu de 1973 até 1994. A entrada custa R$ 10 e o agendamento pode ser feito para visitas de terça a sábado pelo telefone 21 2410-3000 ou pelo email [email protected].

Para chegar lá tanto do centro quando da zona sul leva cerca de 1 hora de carro. Para ir de transporte público o trajeto chega a 1h30. O melhor ônibus é o 2334.

Transcarioca tem 180km da Barra de Guaratiba ao Pão de Açúcar

Imagem Autor

Jornalista enraizada na cultura, caçadora de arte e badalação nas capitais ensolaradas desse Brasil, entusiasta da cena noturna e fervida por natureza.

+ posts do autor

Sítio Burle Marx

A partir de
01 Jun

 Terças,  Quartas,  Quintas,  Sextas e  Sábados às 09:30  Terças,  Quartas,  Quintas,  Sextas e  Sábados às 13:30

Sítio Burle Marx
Estrada Roberto Burle Marx, 2019 Barra Guaratiba Rio de Janeiro - RJ 21 2410-3000
R$10