CORONAVÍRUS
Tudo o que você precisa saberÚltimas notícias e tudo que você precisa saber

Marquinhos Diniz bate papo exclusivo com o Samba em Rede

Por: Redação

O Underground Samba Lapa conversou exclusivamente com o sambista Marquinhos Diniz para conhecer um pouco mais sobre sua história e obra. Filho do Mestre Monarco da Portela, ele teve contato com o samba desde pequeno. Com cerca de 9 anos, já frequentava o bloco Gemada da Vila, para o qual compôs os seus primeiros versos poucos anos depois.

Antes de se firmar como sambista, Marquinhos foi pintor de carros, atuou no exército e inclusive trabalhou em rádio. Somente quando não conseguiu conciliar outros trabalhos com o samba, é que se entregou para o gênero. Embora tivesse músicas em discos independentes, a primeira canção gravada que lhe rendeu dinheiro foi “Rosas de Ouro”, composta com Mané.

O primeiro grande sucesso, no entanto, estourou na voz de Zeca Pagodinho. Era o samba “Caviar”, escrito com Barberinho e Luiz Grande. Juntos, os três formam o Trio Calafrio – que vai lançar um DVD com inéditas em breve. “Os sambas do Trio têm cunho político, criticam o sistema e falam o que o povo não pode falar”, conta Marquinhos.

O sambista dá uma palhinha e canta “Parabólica”, que assim como “Caviar”, exemplificam o perfil do grupo em fazer canções que dão voz ao povo. Confira o bate-papo:

Compartilhe: