Anvisa monitora casos de saúde relacionados a cigarros eletrônicos

Agência quer reunir informações para antecipar e prevenir uma crise de saúde como a que tem sido noticiada nos EUA

Por: Redação

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) emitiu um comunicado informando que passará a monitorar casos de saúde relacionados ao uso de cigarros eletrônicos no Brasil. A preocupação veio após o surgimento de uma doença pulmonar grave nos Estados Unidos, que tem sido atribuída a esse tipo de cigarro. Casos de morte também teriam ligação com o dispositivo chamado”vape”.

Diante dessa preocupação, a Anvisa  solicitou a hospitais e profissionais de saúde que informem sobre quaisquer problemas relacionados ao uso de cigarros eletrônicos. O CMF – Conselho Federal de Medicina – também recebeu orientações para que os médicos estejam atentos a possíveis suspeitas.

mulher fumando cigarro eletrônico
Crédito: Ljubaphoto/istockUso de cigarros eletrônicos estaria ligado a casos de doença pulmonar nos EUA

De acordo com a agência , os dispositivos a serem monitorados incluem “cigarros eletrônicos, os vaporizadores e os cigarros de tabaco aquecido, dentre outros dispositivos eletrônicos para fumar (DEFs)”. A ideia, segundo a Anvisa, é reunir informações para antecipar e prevenir uma crise de saúde como a que tem sido noticiada nos EUA.

Sintomas da doença ligada ao “vape”

A doença respiratória relacionada o uso dos cigarros eletrônicos em usuários nos Estados Unidos apresenta sintomas típicos; tais como:

  • Dificuldade respiratória
  • Falta de ar
  • Dor no peito

Também houve relato de doença gastrointestinal leve a moderada, incluindo vômitos e diarreia, e outros sintomas como febre ou fadiga. De acordo com um comunicado da Anvisa, em muitos casos, os pacientes descreveram um início gradual dos sintomas antes da hospitalização.

Como funcionam os cigarros eletrônicos

vários cigarros eletrônicos
Crédito: HAZEMMKAMAL/istockComercialização de cigarros eletrônicos no brasil é proibida

Enquanto o cigarros comuns funcionam por combustão, os dispositivos eletrônicos em formato de caneta utilizam bateria para aquecer um líquido formado pela mistura de diversas substâncias prejudiciais, como o propileno, glicol e glicerol – além da nicotina líquida.  Essas pequenas partículas, quando inaladas pelos usuários, chegam aos pulmões, de acordo com explicação do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos.

Embora o uso do cigarro eletrônico não seja proibido no Brasil, sua comercialização e propaganda são, de acordo com uma resolução da Anvisa. A proibição considera a falta de evidências científicas sobre a segurança desse tipo de produto.

Compartilhe:

1
Brasil registra primeira suspeita de coronavírus
Em nota, a Secretária de Saúde do Estado de Minas Gerais confirmou a primeira suspeita de coronavírus, doença misteriosa que …
2
Doença desconhecida preocupa médicos e autoridades na China
Uma pneumonia viral e com causas desconhecidas tem despertado a atenção de médicos, especialistas e autoridades na cidade Wuhan, região …
3
Fone de ouvido: o que ele pode causar na sua audição
Segundo informações da Organização Mundial da Saúde (OMS), quase 50% da população entre 12 e 35 anos corre o risco …
4
Câncer de próstata: saiba o que é e como se prevenir da doença
O câncer de próstata é o segundo tipo de tumor mais comum entre os brasileiros. De acordo com informações do …
5
03:38
Cuidados e prevenções para a saúde das mulheres
Dores menstruais parecem típicas, mas podem ser um sinal de endometriose. Hoje, a Dra. Luiza Cadioli, médica de família e comunidade, …
6
02:37
Saiba quais são os sintomas do Transtorno bipolar
O transtorno bipolar vai além das variações de humores. Hoje, o Dr. Jair de Jesus Mari, psiquiatra e professor da Unifesp, …
7
01:40
O que é a Fibromialgia e quais os sintomas?
Você já sentiu dores intensas em algumas partes do corpo? Hoje, a Dra. Luiza Cadioli, médica de família e comunidade, fala …
8
04:15
Quais são os sintomas que indicam diabetes?
Você sente uma fome excessiva, mas não consegue identificar o por quê? Hoje, a Dra. Luiza Cadioli, médica de família e …