Últimas notícias:

Loading...

DF investiga possível caso de variante Ômicron em viajante

Homem que testou positivo para covid-19 está em isolamento domiciliar

Por: Redação

A  Secretaria de Saúde do Distrito Federal informou que está monitorando um viajante vindo da África do Sul que estava no mesmo voo onde outro caso suspeito está sendo investigado. O homem, que tem entre 40 e 49 anos, testou positivo para a covid-19 e foi isolado. Ainda não é possível saber se ele foi infectado pela variante Ômicron.

O passageiro desembarcou em São Paulo no sábado, 27, e embarcou em outra aeronave para Brasília.

aeroporto guarulhos
Crédito: Filipefrazao/istockDF monitora passageiro com covid-19 vindo da África do Sul

De acordo com a Secretaria de Saúde do DF, ele já recebeu três doses de vacina contra covid-19 e não apresenta sintomas da doença.

O Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde do Distrito Federal (Cievs-DF) informou que o homem realizou teste de covid um dia após chegar ao Brasil.

O exame que deu positivo foi feito pelo Laboratório Central de Saúde Pública do Distrito Federal (Lacen-DF).

“O Lacen-DF já iniciou as análises para sequenciamento genético da amostra, com o objetivo de verificar se trata-se da variante Ômicron. O prazo para conclusão do exame é de quatro dias. O Cievs-DF permanece monitorando o caso”, declarou a Cievs-DF em nota oficial.

Situação no Brasil

Até o momento, não há nenhum caso confirmado da variante no Brasil. Embora outros viajantes que estiveram na África estejam sendo monitorados.

vacinas
Crédito: Shutter2U/istock Cientistas analisam se vacinas existentes funcionam contra a nova cepa

A Ômicron, que foi descoberta na província de Gauteng, na África do Sul, já foi detectada em pelo menos 17 países, como Espanha, Portugal e Suécia, Alemanha e Japão.

A variante impressiona pela quantidade alta de mutações. São 50 no total, algo nunca antes visto. A Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou a cepa como variante de preocupação e advertiu que ela representa um “risco muito elevado” para o mundo.

Ainda não se sabe se as vacinas existentes garantem eficácia total contra a cepa.

Compartilhe:

?>