Encontrado remédio capaz de reduzir mortes de pacientes por covid-19

Medicação de baixo custo e amplamente disponível foi responsável pela sobrevivência de um em cada oito pacientes em ventilação mecânica

Por: Redação

Um corticoide barato se tornou o primeiro tratamento capaz de reduzir mortes de pacientes com covid-19 em estado grave. O anúncio foi feito pelos pesquisadores da Universidade de Oxford, no Reino Unido. Segundo eles, o dexametasona, utilizado em um dos maiores estudos sobre medicamento contra o coronavírus, fez com que um terço dos pacientes em fase aguda apresentassem melhora significativa.

A descoberta é considerada um grande avanço porque, além de eficiente, a droga está amplamente disponível em qualquer farmácia e facilmente obtida em qualquer lugar do mundo.

remédio mortes covid-19
Crédito: Digicomphoto/istockRemédio é o primeiro tratamento que demonstrou reduzir a mortalidade por covid-19

“O benefício para sobrevivência é claro e alto em pacientes que estão doentes a ponto de terem que receber tratamento com oxigênio, então, esse deve ser o padrão de cuidado nesses pacientes”, explicou Peter Horby, professor de doenças infecciosas no departamento de medicina de Nuffield, na Universidade de Oxford, e um dos principais autores do estudo.

Segundo os pesquisadores, o dexametasona foi responsável pela sobrevivência de um em cada oito dos pacientes mais doentes – aqueles que usavam ventilação mecânica.


#NessaQuarentenaEuVou – Dicas durante o isolamento:


Como foi feito o estudo

Um grupo com mais de 6 mil pacientes participou dos testes. Desses, um total de 2.104 foram escolhidos aleatoriamente para receber 6mg de dexametasona uma vez ao dia (por via oral ou por injeção intravenosa) por 10 dias. Ao final do tratamento, foram comparados com  4.321 pacientes que seguiam apenas com os cuidados de praxe.

Entre os pacientes que usavam aparelhos respiradores, o risco de morte caiu de 40% para 28%. Entre os que recebiam oxigênio, a chance de morrer reduziu de 25% para 20%. Porém, não houve constatação de melhora entre pacientes com quadros mais leves da doença.

Os resultados completos do estudo ainda não foram publicados, mas serão apresentados em breve. Os cientistas estão otimistas e acreditam que o tratamento será capaz de aumentar as chances de vida de milhares de pacientes mais graves.

Cuidado com a automedicação!

Embora esse seja um remédio facilmente encontrado, não deve ser utilizado por conta própria. Cabe ao médico diagnosticar identificar a necessidade e, a partir disto, indicar qual o melhor medicamento e a dosagem correta para cada caso. Automedicar-se é um risco que pode colocar sua saúde e sua vida em jogo.

Também vem de Oxford uma das vacinas mais avançadas contra o novo vírus. Saiba os detalhes no link abaixo:

Compartilhe: