Síndrome da morte súbita em bebês pode ter origem genética

Por: Redação

Mutações genéticas nos músculos respiratórios podem ser a causa da morte súbita nos bebês, segundo um estudo publicado na revista científica “The Lancet”. A pesquisa, conduzida pelo Centro de Doenças Neuromusculares da  University College de Londres, foi fundamentada em 300 casos de lactentes vítimas da síndrome.

Crédito: Getty Images/iStockphotoSíndrome da morte súbita é uma grande preocupação dos pais

Os acadêmicos encontraram indícios de que essas mutações nocivas prejudicaram a respiração e podem ter levado os bebês ao óbito. A síndrome da morte súbita na infância, segundo informação do jornal  “Público”, é a principal causa de morte em bebês menores de um ano em países da Europa, nos Estados Unidos e no Canadá.

O tema foi abordado em diversas pesquisas médicas em todo o mundo e ainda há muito o que estudar sobre esse assunto.

Em 2006, um levantamento feito nos Estados Unidos e publicado no  “Journal of the American Medical Association”, sugeriu que o nível de serotonina estava intrinsecamente associado à ocorrência das mortes.

Um outro estudo, divulgado pela Academia Americana de Pediatria (AAP), constatou que as crianças que dormem no quarto dos pais até um ano de idade têm risco reduzido de mortes relacionadas ao sono. A posição do bebê na hora de dormir também foi evidenciada como fator de risco.

A síndrome da morte súbita na infância é uma preocupação justificada dos pais, pois há pouco a fazer contra algo que tem consequências tão graves.  Segundo o site Minha Vida, parceiro do Catraca Livre,  a incidência da síndrome é maior em meninos, principalmente os nascidos de parto prematuro, bebês nascidos com baixo peso e gêmeos.

Por meio de resultados estatísticos, as atitudes preventivas recomendadas são:

  • Evite colocar o bebê para dormir com a barriga para baixo ou de lado, dê preferência à posição da barriga para cima;
  • Não agasalhe excessivamente o bebê e mantenha o quarto na temperatura média de 22º C;
  • Não use cobertores, colchões e travesseiros muito macios, com fiapos ou franjas que possam ser puxados ou mesmo se soltar;
  • Não deixe bichos de pelúcia ou tecido junto ao bebê ao dormir;
  • Não compartilhe o mesmo leito com a criança;
  • Não tome bebidas alcoólicas e nem fume durante a gravidez;
  • Jamais exponha o bebê à fumaça de cigarro.

Para saber mais, continue lendo aqui.

Leia também:

Compartilhe: