Vacina chinesa mostra-se segura, e vacinação pode começar neste ano

Candidata à vacina contra covid-19 será submetida à aprovação da Anvisa em outubro

Por: Redação
Ouça este conteúdo

Em um estudo realizado com 50 mil chineses, a vacina CoronaVac, que está na última fase de testes no Brasil, mostrou-se segura, sem efeitos colaterais sérios. O resultado do ensaio foi apresentado nesta quarta-feira, 23, pelo governador de São Paulo, João Doria, em coletiva de imprensa.

Apenas 5,3% dos voluntários tiveram sintomas como dor no local da aplicação, fadiga e febre moderada. Os outros 94,7% dos participantes não apresentaram nenhum efeito colateral.

No Brasil, a vacina – que é desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac Life Science em parceria com o Instituto Butantan – foi aplicada em quase 5,6 mil voluntários sem nenhum registro de reação adversa grave também.

“Esses resultados comprovam que a CoronaVac tem um excelente perfil de segurança e comprova também a manifestação feita pela Organização Mundial da Saúde (OMS), indicando a CoronaVac como uma das 8 mais promissoras vacinas em desenvolvimento no seu estágio final em todo o mundo”, afirmou Doria.

Doria fala sobre vacina coronavac
Crédito: Divulgação/Governo do Estado de São PauloDoria mantém planos de iniciar vacinação contra a covid-19 em dezembro

O resultado sobre a eficácia da vacina deve ficar pronto em novembro. Se os dados forem positivos, o imunizante será submetido à aprovação da Anvisa.

Nesta semana, Doria afirmou que o plano é iniciar a vacinação no estado de São Paulo ainda em dezembro deste ano e, até fevereiro de 2021, já ter imunizado toda a população paulista.

Segundo o governador, 5 milhões de doses devem chegar ao país em outubro. Até dezembro, haverá 6 milhões de doses importadas e outras 40 milhões formuladas pelo Instituto Butantan, o que cobre toda a população paulista.

“Teremos 60 milhões de doses até fevereiro, mais que o suficiente. Vamos vacinar os brasileiros de São Paulo, e espero, os brasileiros de todo o Brasil”, disse.