divulgação

Créditos: divulgação

O espetáculo "Elisabete Finger" integra o Festival Contemporâneo de Dança

Começa dia 1º de novembro o 5º Festival Contemporâneo de Dança, que reúne vinte e uma apresentações de trabalhos nacionais e internacionais. O festival, que tem entrada Catraca Livre, acontece em três espaços até o dia 18: Galeria Olido, Caixa Cultural da Sé e Centro Cultural Banco do Brasil.

Participam do evento artistas da Alemanha, Martinica (Caribe), Argentina, Suécia, EUA, Holanda e de diversos estados brasileiros.

Com curadoria de Adriana Grechi e direção de Amaury Cacciacarro Filho, o grande objetivo do festival é trazer artistas que atualmente imprimem novas direções à dança contemporânea e, dessa forma, expandem o entendimento do que pode ser/fazer dança.

Todos os artistas estão envolvidos com pesquisas e experimentações de linguagem, em diferentes contextos, questionando modelos estanques de existência, testando dramaturgias e desajustando padrões de representação.

Confira a programação completa:

Dias 01 e 02 de novembro, quinta e sexta, às 21h

“This is Concrete”

Artistas: Jefta van Dinther (Estocolmo/Amsterdã) e Thiago Granato (São Paulo/Berlim)

O espetáculo apresenta dois homens que se embrenham um no outro incessantemente, imersos em um ambiente sonoro de batidas estonteantes e sombras giratórias. A viagem dos artistas é longa, entorpecida e sexual. Na fusão corporal e social gerada entre eles, o trajeto se transforma gradativamente em prazer.

Duração: 46 minutos

Classificação indicativa: 12 anos

Dias 03 e 04 de novembro, sábado, 21h e domingo, às 19h30

por Marcin Robak

Créditos: por Marcin Robak

You Must

“You Must”

Artista: Fernando Belfiore (São Paulo / Amsterdã)

No solo “You Must” a coreografia é concebida como um artesanato cênico que aciona um exercício de percepção e imaginação. Com o uso da voz, o performer cria uma colagem destacando a materialidade do corpo e da cena a fim de estimular a produção de sentidos. Como transcender os limites e deveres estabelecidos? “You must” propõe um universo de intensidade e fragilidade.

Duração: 45 minutos

Classificação indicativa: 16 anos

Dia 04 de novembro, domingo, às 18h

“Chamando ela sem eles”

Artista: Sheila Ribeiro (São Paulo)

O espetáculo é um jeito através da potência e do perigo / um hub de delícias / para um mundo que a gente não sabe mais o que é. CHAMANDO ELA é uma companhia de conceitos no encontro bombástico de Sheila Ribeiro, Tiago Lima e João Milet Meirelles, grupo que integra pesquisas nas áreas: moda, dança, arquitetura e tecnologia.

Duração: 45 minutos

Classificação indicativa: 12 anos

Dias 08 e 09 de novembro, quinta e sexta, às 21h

“O.”

Artista: Elisabete Finger (Curitiba, Paraná/Berlim)

“O.” é o último trabalho da série “estudos para monstro”, concebido por Elisabete Finger. O espetáculo é tudo que artista não vê, mas o público vê.

Duração: 40 minutos

Classificação indicativa: 12 anos

Dias 10 e 11 de novembro, sábado, 21h e domingo, às 19h30

“Prêt-à-porter de Vísceras II”

Artista: Marcelo Gabriel (Belo Horizonte)

Prêt-à-Porter de Vísceras II retoma a discussão iniciada na primeira parte do trabalho apresentada em 1996, questionando a posição dos livres pensadores diante da pressão da sociedade contemporânea. Aferindo o estado de anestesia estético social que impede a democratização e a fertilização de novos processos e ideias, a obra é um libelo a favor da liberdade de expressão e autonomia em uma estrutura imatura.

Duração:50 minutos

Classificação indicativa: 12 anos

por Luis Garay

Créditos: por Luis Garay

Maneries

Dias 10 e 11 de novembro, sábado, 19h30 e domingo, às 18h

“Maneries”

Artista: Luis Garay (Bogotá/Buenos Aires)

O espetáculo não se refere a algo universal, (o corpo) nem ao particular: abraça os dois. Luis Garay procura mostrar que chegamos a um ponto em que falamos da linguagem, do signo e da palavra, sendo que ela se esvaiu. O argentino traz um trabalho detalhado, entrelaçando uma reflexão filosófica que o popularizou como um criador contundente.

Duração:minutos

Classificação indicativa: 12 anos

Dias 14 e 15 de novembro, quarta e quinta, às 19h30

“Piranha”

Artista: Wagner Schwartz (Volta Redonda / Paris)

Piranha é a metáfora de um corpo em reclusão. Ele se agita nevralgicamente, entre uma dinâmica voluntária e involuntária, sitiado por uma composição de ruídos digitais. O fluxo de movimento que se enreda sob um feixe de luz desdobra, em seu próprio corpo e no espaço cênico, as variações sutis de uma rave, de uma guerra, de uma possessão, de um susto, de uma morte.

Duração: 40 minutos

Classificação indicativa: 12 anos

Dias 16, 17 e 18 de novembro, sexta e sábado, às  19h30, e domingo, às 18h

“Robert and Maria”

Artistas: Maria Hassabi (Nicosia-Chipre/Nova Iorque) e Robert Steijn (Amsterdã)

Neste primeiro dueto criado em parceria, eles se perguntam onde as diferenças externas encontram semelhanças internas enquanto selam um pacto de devoção incondicional. Esta é a primeira vez que os dois artistas, consagrados internacionalmente, pisam em terras brasileiras para se apresentar.

Duração: 50 minutos

Classificação indicativa: 12 anos

Dias 01, 02 e 03 de novembro, quinta, sexta e sábado, às 19h

por Annabel

Créditos: por Annabel

A Freak Show For S.

“A Freak Show for S.”

Artista: Annabel Guérédrat (Martinica/Caribe)

O espetáculo é uma homenagem da artista para Sarah Baartman, a “Vênus Negra” ou “Vênus Hotentote”, uma mulher levada da região da África para a Europa no início do século 18 para ser exibida como aberração da natureza por ter as formas do corpo avantajadas. Trata-se de um solo cujo tema é o corpo da mulher negra, exposto sob um viés político e não apenas sexual: é uma afirmação ética e, ao mesmo tempo, um corpo em revolta. Uma investida performática cheia de energia de Annabel Guérédrat.

Duração: 45 minutos

Classificação indicativa: Livre

Dias 17 e 18 de novembro, sábado e domingo, às 16h

"Árvores”

Artista: Clarice Lima (Fortaleza / São Paulo)

Árvores é uma performance artística que exprime o desejo de permanência, invertendo o espaço e questionando o tempo. Até quando o corpo aguenta? O trabalho surge como desejo de enraizamento na cidade, onde pessoas vestidas com o mesmo figurino ficam de cabeça para baixo, quase como árvores, plantadas, até quando suportarem.

Duração: 40 minutos

Classificação indicativa: Livre

5º Festival Contemporâneo de Dança

01 Nov
a
18 Nov

  • diariamente de 1 (Qui) a 18/11 (Dom)
    • das 18:00 às 21:00

CCBB SP - Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo
Rua Álvares Penteado, 112 Centro - Centro São Paulo - SP (11) 3113-3651 / (11) 3113-3649
Estação Sé (Metrô - Linha 1 Azul e Linha 3 Vermelha)
Catraca Livre

01 Nov
a
18 Nov

  • diariamente de 1 (Qui) a 18/11 (Dom)
    • das 18:00 às 21:00

Galeria Olido
Avenida São João, 473 - do térreo ao 2º andar Centro - Centro São Paulo - SP (11) 3331-8399 | 3397-0171
Estação República (Metrô - Linha 3 Vermelha e Linha 4 Amarela)
Catraca Livre

01 Nov
e
18 Nov

  • diariamente de 1 (Qui) a 18/11 (Dom)
    • das 18:00 às 21:00

Caixa Cultural São Paulo
Praça da Sé, 111 - 8º andar Sé - Centro São Paulo - SP (11) 3321-4400
Estação Sé (Metrô - Linha 1 Azul e Linha 3 Vermelha)
Catraca Livre