O artista Oswald de Andrade apropriou o termo antropofagia para o Brasil ao perceber que o país funcionava como uma boca que a tudo comia - etnias, culturas entre outras associações.

Dentro do insght artístico de Andrade e do mês da Consciência Negra, a Pinacoteca do Estado  deixa em cartaz durante o mês de novembro a mostra "Africanofagias Paulistas".  O ingresso para o espaço expositivo custa R$ 6, porém a entrada aos sábados é Catraca Livre (vale destacar que as atividades temáticas acontecem nestes dias).

A mostra faz uso da expressão para associar a forma como São Paulo também se formou por "engolir" culturas e costumes de diversas partes do mundo. Algumas obras do acervo da Pinacoteca servirão de suporte para inserir o visitante na dinâmica da exposição.

Entre debates com especialistas, visitas temáticas, oficinas poéticas e apresentações musicais e cênicas, as atrações da atividade também se distribuem pelo Museu de Arte Sacra e Museu da Língua Portuguesa.

Confira a programação completa:

12 de novembro, das 10h às 13h

Tema: Negro paulistano me tornei, na metrópole que adotei

Apresentação das trajetórias de personalidades negras que migraram para São Paulo, e que aqui constituíram as suas biografias. Os palestrantes são: Professora Dra. Ligia Ferreira (UNIFESP) que falará sobre o jornalista e advogado Luiz Gama; Dra. Flávia Rios que abordará a obra da escritora Carolina Maria de Jesus; Professor Dr. Nelson Inocêncio (UNB) que abordará a biografia do artista plástico Emanoel Araújo. A mediação é da Professora Dra. Maria Aparecida Lopes (UFT).

19 de novembro, das 10h às 13h

Tema: Africanizando o cotidiano paulistano

O encontro tratará da presença africana nas ações do dia a dia, desde os modos de expressão oral às práticas populares religiosas e festivas a partir das pesquisas do escritor e jornalista Oswaldo de Camargo; da artista plástica, folclorista e escritora Raquel Trindade; e do escritor, poeta e Dr. Luiz Silva ou Cuti. Mediação do escritor, historiador e Mestre em Educação Allan da Rosa.

 26 de novembro, das 10h às 13h

A conversa joga luz nos reflexos das expressões artísticas afro-brasileiras na cidade em troca de ideias com representantes de coletivos de teatro e grupos musicais. As ideias da conversa permeiam os processos de criação cênica e musical de tradições africanas e afro-brasileiras nos espaços urbanos. Mediação do jornalista e idealizador da revista de cultura urbana “O Menelick 2.Ato: Afrobrasilidades e afins” José Nabor Júnior.

05 de novembro, às 16h

O canto das lavadeiras e rezadeiras que se faz presente com o requinte da batucada de terreiro no samba do Curimba, núcleo formado por pastoras do Grêmio Recreativo de Resistência Cultural Kolombolo Diá Piratininga para difundir o samba paulista e seus mestres.

12 de novembro, às 16h

O som que integra a vitalidade percussiva das festas de Maracatu com o improviso dos Mcs do rap do grupo Zinho Trindade e o Legado de Solano.

19 de novembro, às 16h

Nesta apresentação a Companhia de Arte Negra As Capulanas apresentam o trabalho "Quando as palavras sopram os olhos... Respiro!", inspirado no livro “Cartas para minha mãe”, de Teresa Cárdenas.

26 de novembro, às 16h

Grupo Clariô de Teatro apresenta a peça “Urubu come carniça e voa”, montagem inspirada nos textos de João Flávio Cordeiro, o Miró de Muribeca, poeta negro pernambucano que faz da poesia a maneira mais concreta de responder a violência sofrida e observada por ele cotidianamente.

"Africanofagias Paulistas"

01 Nov
a
30 Nov

  • diariamente de 1 (Ter) a 30/11 (Qua)
    • das 10:00 às 17:30

Pinacoteca do Estado de São Paulo
Praça da Luz, 2 Bom Retiro - Centro São Paulo - SP (11) 3324-1000
Estação Luz (Metrô - Linha 1 Azul)
R$ 6
Estudantes pagam meia/ Entrada Catraca Livre aos sábados