Depois de finalmente ganhar a nova unidade do Sesc 24 de Maio em agosto, o centro de São Paulo se prepara para ver um de seus cartões postais se transformar num espaço cultural. Isso mesmo, o Banespão, apelido carinhoso para o Edifício Altino Arantes, ganha novo nome e função para seus 35 andares, com inauguração prevista para novembro.

Rebatizado de Farol Santander, o prédio terá vários espaços culturais com diferentes curadores. A proposta é apresentar toda a diversidade cultural da cidade com um olhar mais profundo para a arte, música e dança, além de criar um diálogo com a região e com as pessoas que a frequentam. O projeto foi idealizado por Sergio Rial, presidente da instituição financeira no Brasil.

1/2

Crédito da imagem: Allan Hipólito | Catraca Livre

Edifício Altino Arantes, o Banespão, será transformado em espaço cultural em novembro

2/2

Crédito da imagem: Allan Hipólito | Catraca Livre

Edifício Altino Arantes, o Banespão, será transformado em espaço cultural em novembro

  • Crédito da imagem: Allan Hipólito | Catraca Livre

    1/2

    Edifício Altino Arantes, o Banespão, será transformado em espaço cultural em novembro

  • Crédito da imagem: Allan Hipólito | Catraca Livre

    2/2

    Edifício Altino Arantes, o Banespão, será transformado em espaço cultural em novembro

Símbolo da era progressista que atraiu milhares de imigrantes e migrantes para a cidade, o Edifício Altino Arantes começou a ser construído a partir de 1939 e teve como inspiração a arquitetura do famoso Empire State Building, em Nova York. Com 161,22 metros de altura, o Banespão está localizado no coração da cidade, próximo às ruas que no passado formavam o centro bancário do município: São Bento, XV de Novembro e Direita.

Considerado nos anos 40 a maior construção de concreto armado do mundo, foi o prédio mais alto da cidade por quase 20 anos. Privatizado em 2000 pelo grupo Santander-Banespa, o Banespão passou a abrigar um museu onde estão reunidos mais de 2 mil objetos que fazem parte da história de quase 100 anos da cultura cafeeira do Brasil. Em 2011 ele foi tombado pelo patrimônio histórico de São Paulo.


Veja mais:

33ª Bienal de São Paulo tem data de abertura confirmada