Colocar a sexualidade feminina em pauta. Este é um dos objetivos da exposição Quem tem medo de Teresinha Soares?, que toma o 2º subsolo do Masp com mais de 50 obras da polêmica artista mineira Teresinha Soares (Araxá, 1927), concebidas entre 1965 e 1976.

A mostra fica aberta para visitação de 28 de abril a 6 de agosto; de terça a domingo, das 10h às 18h e, às quintas, 10h às 20h. Os ingressos custam R$ 30 e R$ 15 (meia) e, às terças-feiras, o museu tem entrada Catraca Livre.

1/6

Crédito da imagem: Jorge Bastos

"Morra usando as legítimas alpargatas" (da série Vietnã), 1968

2/6

Crédito da imagem: Jorge Bastos

"Ele e ela" (Homenagem a Caetano Veloso), 1968

3/6

Crédito da imagem: Jorge Bastos

"Inseminação artificial", da série Desenhos espaciais, 1968

4/6

Crédito da imagem: Jorge Bastos

5/6

Crédito da imagem: Jorge Bastos

"Xifópagas uterinas", da série A mulher em 10 parágrafos, 1968

6/6

Crédito da imagem: divulgação

Teresinha Soares em seu ateliê em 1968. Ao fundo as obras "A queda de Adão", 1968, "Pode vir quente" (homenagem a Roberto Carlos), 1968, e "Pecados Capitais", 1968

  • Crédito da imagem: Jorge Bastos

    1/6

    "Morra usando as legítimas alpargatas" (da série Vietnã), 1968

  • Crédito da imagem: Jorge Bastos

    2/6

    "Ele e ela" (Homenagem a Caetano Veloso), 1968

  • Crédito da imagem: Jorge Bastos

    3/6

    "Inseminação artificial", da série Desenhos espaciais, 1968

  • Crédito da imagem: Jorge Bastos

    4/6

  • Crédito da imagem: Jorge Bastos

    5/6

    "Xifópagas uterinas", da série A mulher em 10 parágrafos, 1968

  • Crédito da imagem: divulgação

    6/6

    Teresinha Soares em seu ateliê em 1968. Ao fundo as obras "A queda de Adão", 1968, "Pode vir quente" (homenagem a Roberto Carlos), 1968, e "Pecados Capitais", 1968

O público pode conferir pinturas, desenhos, gravuras, caixas-objetos, relevos e instalações, além de documentação fotográfica sobre as performances e happenings pioneiros da artista.

O título faz menção à peça "Quem tem medo de Virgina Woolf?", de Edward Albee, e faz referência aos tabus comportamentais que a obra de Teresinha Soares enfrenta ao se contrapor ao machismo da sociedade e do meio da arte.

Artista precursora ao abordar em seu trabalho temas de gênero, como a liberação sexual feminina, a violência contra a mulher, a maternidade e a prostituição, Soares também fez obras com base em acontecimentos políticos, como na série de pinturas Vietnã (1968). A representação do corpo é um dos motivos mais recorrentes da obra da artista, abrangendo desde o erotismo e o sexo, até o nascimento, a morte e a relação com a natureza.

Mais sobre SP:

Conheça museus e bibliotecas para você ir de bicicleta

10 lugares perfeitos para você desacelerar em São Paulo

Quem tem medo de Teresinha Soares?

28 Abr
a
06 Ago

De 28/04 a 06/08:   Terças,  Quartas,  Sextas,  Sábados e  Domingos das 10:00 às 18:00 Quintas das 10:00 às 20:00

Masp - Museu de Arte de São Paulo
Avenida Paulista, 1578 Bela Vista São Paulo - SP (11) 3251-5644
Estação Trianon-Masp (Metrô - Linha 2 Verde)
R$ 30; R$ 15 meia-entrada; Catraca Livre às terças-feiras