A Cia. Sapataria discute a relação entre loucura e sanidade mental em “Colônia”, de Bruno Felix, Thaísa Gazelli e Thiago Leão, que restreia na sede Roosevelt da SP Escola de Teatro, no dia 28 de setembro. O espetáculo fica em cartaz até 10 de novembro, com sessões às quartas e quintas, às 21h. Os ingressos custam até R$20.

1/8

Crédito da imagem: Carlos Valle e Victoria Lins

"Colônia", da Cia. Sapataria

2/8

Crédito da imagem: Carlos Valle e Victoria Lins

"Colônia", da Cia. Sapataria

3/8

Crédito da imagem: Carlos Valle e Victoria Lins

"Colônia", da Cia. Sapataria

4/8

Crédito da imagem: Carlos Valle e Victoria Lins

"Colônia", da Cia. Sapataria

5/8

Crédito da imagem: Carlos Valle e Victoria Lins

"Colônia", da Cia. Sapataria

6/8

Crédito da imagem: Carlos Valle e Victoria Lins

"Colônia", da Cia. Sapataria

7/8

Crédito da imagem: Carlos Valle e Victoria Lins

"Colônia", da Cia. Sapataria

8/8

Crédito da imagem: Carlos Valle

"Colônia", da Cia. Sapataria

  • Crédito da imagem: Carlos Valle e Victoria Lins

    1/8

    "Colônia", da Cia. Sapataria

  • Crédito da imagem: Carlos Valle e Victoria Lins

    2/8

    "Colônia", da Cia. Sapataria

  • Crédito da imagem: Carlos Valle e Victoria Lins

    3/8

    "Colônia", da Cia. Sapataria

  • Crédito da imagem: Carlos Valle e Victoria Lins

    4/8

    "Colônia", da Cia. Sapataria

  • Crédito da imagem: Carlos Valle e Victoria Lins

    5/8

    "Colônia", da Cia. Sapataria

  • Crédito da imagem: Carlos Valle e Victoria Lins

    6/8

    "Colônia", da Cia. Sapataria

  • Crédito da imagem: Carlos Valle e Victoria Lins

    7/8

    "Colônia", da Cia. Sapataria

  • Crédito da imagem: Carlos Valle

    8/8

    "Colônia", da Cia. Sapataria


Com direção de Daniel Falcão, a montagem parte do caso que ficou conhecido como “Holocausto Brasileiro”, o genocídio de mais de 60 mil pacientes psiquiátricos internados no extinto Hospício de Barbacena, em Minas Gerais, apelidado de Colônia.

Os internos do manicômio, que, na maioria das vezes, não tinham diagnóstico de doenças mentais, viviam em condições semelhantes aos campos de concentração nazistas. Mulheres grávidas, órfãos, negros, homossexuais e outras minorias chegavam ao falso hospital em “trens de doido”, como eram chamados.

Os personagens, inspirados em relatos sobre o hospício, revelam como foram parar nesse lugar, explicam como eram suas vidas antes e depois de sua internação e descrevem o massacre.

O caso foi denunciado em uma reportagem de José Franco e Luiz Alfredo para revista O Cruzeiro, publicada em 1961, e, mais tarde, no livro-reportagem “O Holocausto Brasileiro” (2013), da jornalista Daniela Arbex.

A ideia da encenação é lançar ao público a seguinte questão: vivemos em uma realidade distante daquela retratada pela peça – de exclusão e extermínio das minorias –, ou ainda temos resquícios do Colônia na sociedade? O grupo apoia os movimentos da Luta Antimanicomial e contra qualquer forma de opressão.

O elenco conta com a participação de Ana Bornia, Bruno Felix, Carol Zanola, Eberhard Stehling, Higor Lemo, Ingrid Arruda, Jhonatan Hoz, Laiza Fernanda, Lara Lah, Mariana Haddad, Marina Vitti, Milton Aguiar, Rafael Tesoto, Taisa Lira, Tania Brigantini e Thiago Leão.

"Colônia", da Cia Sapataria

28 Set
a
09 Nov

de 28/09 a 10/11 Quartas e  Quintas às 21:00

SP Escola de Teatro - Sede Roosevelt
Praça Franklin Roosevelt, 210 Consolação - Centro São Paulo - SP (11) 3775-8600
Estação República (Metrô - Linha 3 Vermelha e Linha 4 Amarela)
R$20 (inteira) e R$10 (meia)
Classificação: 14 anos |Duração: 70 minutos