Doação de órgãos

Em todo mundo, o número de transplantes sofreu um impacto provocado pela covid-19

A queda no Brasil começou em março. De janeiro a julho de 2019, foram realizados

9.952

15.827

transplantes. No mesmo período em 2020, foram

procedimentos

5.875 transplantes a menos em 2020

queda de 8,4% em relação aos dados do ano passado

No país, até o final de julho,

46.181

pacientes aguardavam por um transplante de órgãos. Os órgãos mais transplantados ao longo de janeiro a julho de 2020 foram o rim e o fígado

Transplantes realizados:

córnea 4.163 medula óssea 1.580

rim  2.759 fígado 1.169 coração 173 pâncreas-rim 55 pulmão 35 pâncreas 17

De acordo com o Ministério da Saúde, enquanto alguns países paralisaram os programas de transplantes, o Brasil manteve as atividades com

redução de cerca 40%

A tendência é de retomada gradual

Doação em vida

O "doador vivo" é uma pessoa avaliada com boas condições de saúde, capaz juridicamente e que deve concordar com a doação

Por lei, pais, irmãos, filhos, avós, tios e primos podem ser doadores. Não parentes podem ser doadores somente com autorização judicial

Órgãos e tecidos de um doador vivo:

Rim: por ser um órgão duplo

Medula óssea: obtida por meio da aspiração óssea direta ou pela coleta de sangue

Fígado ou pulmão: podem ser doadas partes destes órgãos

Doação após a morte

Se existe o desejo de se tornar um doador, o mais importante é informar essa vontade aos familiares. Após a morte, a decisão sobre a doação será deles

Entenda as etapas do processo de doação de órgãos:

Diagnóstico de morte encefálica

Qualquer pessoa que tenha tido a morte encefálica confirmada pode se tornar doadora. Quadro irreversível em que é diagnosticada a parada total das funções cerebrais

Autorização da família

Após confirmação do diagnóstico, a família é consultada sobre o desejo de doar os órgãos

Apenas os familiares podem dar o aval da cirurgia, após a assinatura de um termo.

Metade das famílias entrevistadas não permite a retirada dos órgãos para doação

Entrevista familiar

Manifestado o desejo pela família de doar os órgãos do parente, a equipe médica investiga o histórico clínico do paciente para rastrear possíveis doenças

Retirada de órgãos

De um mesmo doador, é possível retirar vários órgãos para o transplante. Os órgãos são refrigerados e levados para uma central de notificação até definir o receptor

Transporte

O órgão é levado para o hospital onde está o paciente receptor, enquanto ele passa pelo pré-operatório. O governo viabiliza o transporte aéreo dos tecidos e órgãos

Recuperação

Depois de transplantado, o paciente tem um pós-operatório semelhante ao de outras cirurgias

Esse processo é feito pelo SUS (Sistema Único de Saúde), o maior programa público de transplante de órgãos, tecidos e células do mundo

O SUS é responsável pelo financiamento de cerca de

95%

dos transplantes no país

Pela rede pública de saúde os pacientes recebem assistência integral e gratuita, incluindo exames preparatórios, cirurgia, acompanhamento e medicamentos pós-transplante

Produção Thamyres Donadio Textos Tamiris Gomes Fonte Ministério da Saúde