Você sabia que o Brasil só teve uma mulher
à frente do Ministério
da Educação?

A lista, quase que exclusivamente masculina, inclui nomeações interinas em diferentes modalidades de governo.

De 1930 até 2020, passaram pelo ministério 67 homens

Esther de Figueiredo Ferraz foi ministra na Ditadura Militar

Ela atuou durante o governo do presidente militar João Figueiredo (1979-1985), o último deste período. Advogada e professora (1915-2008) foi a única a ocupar o cargo na história do país, desde a criação da pasta, há 90 anos.

Esther entrou na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, em 1940. Anos depois, ela foi a primeira mulher a dar aula no curso.

Mulher branca e filha de fazendeiro

A jurista foi também a primeira mulher a ocupar uma cadeira na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a primeira a ser reitora da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Pouca coisa mudou.
No governo Bolsonaro, apenas duas mulheres são ministras.

E HOJE?

Essas são as únicas ministras, entre 23 pastas atuais.

TEREZA CRISTINA

Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Mulher, Família e Direitos Humanos

DAMARES ALVES

esse é o número da participação feminina no Executivo brasileiro.
É um dos piores índices no mundo. Segundo a ONU, a média internacional é de 20,7%.

MENOS DE 9%

De acordo com pesquisa do Ibope e da ONU Mulheres, 70% dos brasileiros acreditam que a democracia só existe, de fato, com a presença de mulheres em espaços de poder.

Mais mulheres na linha de frente da política nacional

Textos: Tamiris Gomes

Imagens: Agência Brasil
Biblioteca da Presidência da República
TV Justiça

Produção: Camila Lustosa
Alexandre De Maio