CORONAVÍRUS
Loading...
Últimas notícias e tudo que você precisa saberAtualizando informações
Infectados-
Mortes-
Recuperados-

Brasileiro atravessa cratera de vulcão ativo de slackline

Monte Yasur, situado no Pacífico Sul, está em erupção consecutiva há mais de 100 anos

Por: Sergio Amorim

O catarinense Rafael Bridi entrou para o Guinness Book (livro dos recordes) ao atravessar a cratera do vulcão de um vulcão em Vanuatu, na Oceania. O feito foi realizado em março, no começo da pandemia do coronavírus, mas só foi confirmado pela publicação recentemente.

vulcão Yasur
Crédito: Natural Extremo / One Inch DreamsO brasileiro Rafa Bridi atravessa a cratera do vulcão Yasur de slackline

A aventura será contada no documentário “LavaLine”, atualmente em pós-produção e com lançamento previsto ainda para este ano..

O vulcão Yasur é um dos mais ativos do mundo, com alguns estudos apontando o seu tempo provável de atividade para além de 800 anos.

Para o desafio, Rafael usou uma fita de apenas 2,5 cm de largura, em uma extensão de 261 metros.


#NessaQuarentenaEuVou – Dicas durante o isolamento:


Reza a lenda que o brilho do vulcão atraiu o explorador britânico James Cook à ilha de Tanna, em 1774, tendo sido monitorado de perto desde então.

Quarentena na selva de Vanuatu

vulcão Yasur
Crédito: Natural Extremo / One Inch DreamsRafael Bridi durante a travessia da cratera do vulcão Yasur

A produção do documentário foi duramente impactada, não somente pela pandemia, como também pelo ciclone Harold, que causou destruições generalizadas no arquipélago de Vanuatu, além das Ilhas Salomão, Fiji e Tonga.

O governo declarou estado de emergência, levando Tanna a fechar todo o comércio e suspendendo a logística de abastecimento da ilha, deixando a equipe confinada em uma pequena vila aos pés do vulcão por tempo indeterminado, em meio à quarentena.

A produção também enfrentou diversos obstáculos e adversidades durante as filmagens, como a lava, lançada a uma altura de 400 metros, e a altíssima temperatura do local, somados ao ácido sulfúrico expelido pelo monte, que ameaçava danificar o material da fita de slackline.

Crédito: Natural Extremo / One Inch DreamsO feito foi realizado em março, no começo da pandemia do coronavírus

“Eu não sabia que lugares intocados como esse ainda existem. A hospitalidade incrível e rica cultura me impactaram. Em tempos de crise e incerteza global, é quase uma benção estar preso em um paraíso”, disse alemão Johannes Olszewski, diretor e produtor da “LavaLine”.

Campanha para Vanuatu

A equipe da One Inch Dreams, responsável pelas filmagens do feito Rafael Bridi, lançou uma campanha de para educar a população de Vanuatu sobre o coronavírus, especialmente as que moram em regiões remotas da província de Tafea.

A série de vídeos informativos será transmitida através pela TV e internet.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.