Últimas notícias:

Loading...

Viagens em família: roteiro de 7 dias pelo Chile com bebê

Quem disse que não dá para viajar com filhos pequenos?

Por: Elizabeth Werneck

O Chile é um destino turístico bastante popular para nós brasileiros. Inclusive entra ano e sai ano ganha como o melhor destino turístico de aventura.

O país é muito plural e possui paisagens de tirar o fôlego como por exemplo, um incrível deserto e a Patagônia chilena. Dessa forma, quando nossa bebê estava com cerca de 8 meses fomos passar o Réveillon no Chile.

Chile
Crédito: Arquivo pessoalIndo para o Chile a bordo do Cruce andino

Veja abaixo o nosso roteiro de 7 dias no Chile

Como chegar ao Chile

A forma mais fácil de chegar ao Chile é de avião. Santiago tem o aeroporto internacional Comodoro Arturo Merino Benítez (SCL) e possui voos diretos de várias capitais do Brasil.

1º dia: Cruce andino

Estávamos na Patagônia argentina, na cidade de Bariloche e cruzamos os lagos andinos no lindo Cruce Andino, numa viagem deliciosa, com paisagens estonteantes. O Cruce andino é realmente muito legal e bem adequado para fazer com bebês, pois você vê toda a natureza linda, sem ser radical a ponto de ter que fazer trilhas no meio da mata. Aqui não usamos o carrinho e deixamos ele fechado o tempo todo.

Cruzando a fronteira com a Argentina – Assim que saímos do território argentino, passamos pela aduana chilena e paramos para almoçar em Peulla. Atenção que a aduana chilena é bem rígida com alimentos trazidos da Argentina.

Almoço em Peulla – Almoçamos no restaurante Nature Patagônia e estava muito saboroso. O cardápio tinha várias comidinhas boas para bebê, na introdução alimentar, como pão, purê de batata, frango, etc.

Navegação pelo lago de Todos os Santos – Após o almoço pegamos outra embarcação e navegamos pelo fabuloso lago de Todos os Santos. É um lago lindo, de cor azul turquesa, lindo, lindo. E aqui ficamos super atentos pois a linda vista do vulcão Osorno estava próxima. As paisagens aqui são realmente de se emocionar.

Chile
Crédito: Arquivo pessoalO Cruce Andino é um passeio que agrada a toda família. Aqui no barco, a minha bebe viajante encontra outro bebê.

Saltos de Petrohué – Então nosso período no Cruce Andino acabou. Durou cerca de 10 horas, e nem sentimos o tempo passar, de tão agradável que  estava. Seguimos em direção ao Saltos de Petrohué. São cascatas com cores de um azul super profundo, que encantam a todos que visitam. No entanto, o parque estava fechado, pois chegamos alguns minutos após às 17h.

Recomendo você fazer o Cruze Andino no sentido contrário ao que fizemos (embarcando no Chile e desembarcando na Argentina), pois assim o Saltos de Petrohué seria a primeira atração do dia.

Hospedagem em Puerto Varas – Chegando em Puerto Varas a agência deixou a gente em frente ao escritório deles, bem no centro da cidade e fomos e empurrando nossas malas até a pousada. Escolhemos uma pousada com uma linda vista para o lago Llanquihue e com piscina aquecida.


#DicaCatraca: sempre lembre de usar a máscara de proteção, andar com álcool em gel, respeitar o distanciamento social e sair de casa somente se necessário! Caso pertença ao grupo de risco ou conviva com alguém que precise de maiores cuidados, evite passeios presenciais. A situação é séria! Vamos nos cuidar para sair desta pandemia o mais rápido possível. Combinado?


Adorei a localização, o café da manhã e o atendimento, e claro, a piscina aquecida também: Ficamos na Pousada do Lago. Eles conseguem colocar berço mediante pedido.

2º dia: Puerto Varas

Puerto Varas é uma pequena cidade no sul do Chile, numa região chamada Los Lagos. Localizada às margens do extenso, enorme e bonito lago Llanquihue, oferece lindas vistas para 2 vulcões: o Osorno e o Calbuco. Interessante que esses dois vulcões são cobertos de neve em seu pico e ainda são ativos. A arquitetura colonial da cidade é em estilo alemão e possui destaque para sua igreja vermelha e branca, do Sagrado Coração de Jesus.

A igreja foi construída no início do século 20, e possui três torres. A cidade possui algumas ruas bastante íngremes, então não se esqueça de usar calçados confortáveis além do carrinho de bebê. Imagem 3 : Legenda da foto: Prontas para passear pela Cidade de Puerto Varas, enquanto o papai viajante visita  o Vulcão Osorno

Visitando o vulcão Osorno – Como essa é a minha segunda vez em Puerto Varas, e na outra vez eu subi o vulcão com meus pais, meu marido viajante foi para esse passeio sozinho, e eu fiquei passeando pela cidade com a bebê e meus pais. Inclusive algumas vezes que viajamos com a nossa criança, se não puder levá-la a algum passeio, tentamos nos alternar, ficando um com ela de cada vez, para assim, os dois conseguirem fazer o passeio. Subir o vulcão Osorno é imperdível e vale muito a pena.

Quando visitamos o Chile – As duas vezes que vim aqui foi no verão, nos meses de dezembro e janeiro. Pelas roupas na fotografia você pode constatar que mesmo no alto verão a Patagônia tem um clima fresquinho e se faz necessário um casaco a maior parte do tempo.

Mas voltando ao passeio pela cidade de Puerto Varas, usei a maior parte do tempo o canguru e foi uma boa pedida. Nessa época minha criança viajante gostava menos de carrinho e preferia o canguru.

3º dia: Ida para Santiago

Após duas noites na Patagônia chilena pegamos um voo de 1h30 e chegamos na vibrante capital chilena. Uma ótima vantagem em se amamentar durante as viagens é que não é preciso carregar mamadeiras nem vasilhas para dar a comida para a bebê. Minha criança viajante sempre estava bem nutrida durante todo o dia.

Alugamos um carro para acomodar bem a todos e não estávamos muito certo de qual passeios faríamos, mas talvez não seja tão necessário. Santiago é muito bem servida por transporte público, e você consegue chegar em várias partes dessa forma. Além disso, a capital Chilena conta também com transporte por app.

Se você quer se hospedar em Santiago com charme recomendo fortemente o bairro Lastarria e será meu próximo endereço na minha terceira vez na cidade. As duas vezes me hospedei no Bairro Providência e foi muito bom também. Escolhemos a rede Torremayor que sempre foi uma boa pedida.

4º dia: Santiago

Toda vez que visitamos uma cidade a turismo damos prioridade para fazer, no primeiro dia, os passeios do tipo “catraca livre”, ou seja, gratuitos.

São alguns deles: walking tour no Centro Histórico, Plaza de Armas, Mercado Central, Museu histórico Nacional, Palácio La Moneda, etc, e meu favorito do dia  foi o Museu de Belas Artes.

Visita ao Museu de Belas Artes – O Museu de Belas Artes possui coleções de obras de arte contemporânea e desde a época do Chile Colônia, tanto de artistas chilenos quanto internacionais.

Esse passeio é muito indicado para fazer com crianças. Além da exposição permanente de arte nacional, o museu realiza exibições temporárias de artistas nacionais e estrangeiros.O prédio é lindo, e está localizado bem pertinho de um delicioso parque chamado Parque Florestal.

Chile
Crédito: Arquivo pessoalO Museu de Belas Artes de Santiago  é uma ótima opção para visitar com crianças, na capital chilena

5º dia: Ainda em Santiago

No dia seguinte visitamos o Mirante mais alto da América Latina, o imponente Sky Costanera. Localizado num shopping center, aproveitamos, fizemos umas comprinhas que algumas lojas estavam em liquidação e almoçamos por aqui.

Ah, e comemos pouquinho no almoço, pois, além do Café da manhã do hotel ter sido super farto, logo mais iríamos para um delicioso piquenique em uma vinícola próxima a Santiago, a Undurraga.

Visita a Undurraga – A vinícola Undurraga está localizada na cidade de Talagante, a 34 km de Santiago. Como estávamos de carro viemos até a vinícola dessa forma ( e como eu estava amamentando fui a motorista da vez e não bebi. A lei aqui também é seca e o motorista não pode beber).

Piquenique na Undurraga – O piquenique na Undurraga não inclui o tour da degustação. Você recebe uma cesta recheada de quitutes como vinho ou espumante, além de uma seleção de queijos e algumas comidinhas. Muita gente opta pelas espreguiçadeiras e sofás para fazer o piquenique, mas nós escolhemos estender nossa toalha em um gramado, à sombra de uma árvore, muito agradável mesmo.

Compramos o piquenique pela Internet, daqui do Brasil mesmo. Interessante que o preço é CH$ 25.000 (pesos chilenos) e uma cesta é para cada duas pessoas. Porém, na hora da compra ficamos distraídos e não nos atentamos para isso, e compramos uma cesta por pessoa. Em razão disso, eles perguntaram se a gente preferia fazer o tour ao invés de devolver o dinheiro e a gente aceitou. Valeu muito a pena.

Crédito: Arquivo pessoalDescansando sob uma árvore na Vinícola Undurraga, durante o piquenique

6º dia: Santiago e Réveillon

Pela manhã visitamos o Cerro Santa Lúcia e sua feira de artesanatos, e achamos o lugar bem lindo e bem cuidado. Ambos os passeios são gratuitos. Sobre o clima e temperatura em Santiago você vai perceber que o sol é muito quente e faz muito calor durante o dia, mas quando o sol vai embora, esfria rápido. Mas nada que um lenço, um casaquinho ou uma pashimina não resolva.

Almoço em Santiago – Neste dia almoçamos num lugar super típico chamado Chipe Libre: República independente do Pisco. O nome do restaurante insinua um novo país que foi fundido entre Chile e Peru. O ambiente conta com um cardápio com mais de 60 drinks a base de pisco. O restaurante tem fama de ter o melhor pisco sour da capital Chilena

Crédito: Arquivo pessoalNo Restaurante Chipe Libre

Almoçamos e fomos descansar a tarde, pois a noite era o Réveillon. À noite saímos para jantar no outro hotel da rede Torremayor. Foi um jantar comemorativo de Ano Novo. Foi muito legal, mas o Réveillon do Chile tem fama de ser bem diferente do brasileiro.

7º  dia: Mais passeio por Santiago

Acordamos, tomamos café e não tínhamos a menor ideia do que fazer no primeiro dia do ano, pois é feriado. Pegamos o carro e saímos para visitar o templo Bahai de Santiago. Mas chegando, infelizmente estava fechado.

Aí fomos direto para o teleférico, no parque metropolitano. Foi super legal e vimos muitas famílias chilenas fazendo piquenique no local. Chegamos numa piscina super bonita e o local estava bem animado.

Aí pegamos o teleférico novamente para subir mais ainda e chegamos bem no alto do Cerro San Cristóbal.  Dá pra ter uma linda vista da cidade. Vale muito a pena o passeio.  Almoçamos logo após descermos do teleférico e almoçamos no Pátio Bellavista e comemos um prato típico chamado Chorrillanas. Esse prato consiste em batatas fritas cobertas por diferentes carnesem tiras, como salsichas, ovos mexidos ou fritos e cebolas fritas. Devido ao seu tamanho grande, geralmente é servido como um prato para compartilhar. Recomendo bastante o local, que tem alguns restaurantes e lojas de artesanatos. Comprei cada coisa de Lápis Lazulli linda (pedra típica do Chile).

 Vista de Santiago a partir do Cerro San Cristóbal
Crédito: Arquivo pessoalVista de Santiago a partir do Cerro San Cristóbal

Dicas gerais para viajar com bebê para o Chile no verão

Hidrate muito seu bebê, dê bastante líquido para ele, protetor solar e chapéu são super fundamentais. No dia seguinte voltamos para o Brasil, e nos despedimos do Chile com bebê.

Conclusão: Vale a pena viajar para o Chile com bebês? Claro que vale! Se você gosta de belas paisagens e história pré-colombiana, essa viagem é para você. Lembre-se de hidratar bastante a criança, colocar chapéu, protetor solar  e roupas adequadas.

Ficamos sete noites e já estamos querendo retornar agora, com ela maiorzinha para visitar o Atacama e Torres del Paine. Outra coisa que faremos aqui é visitar outras vinícolas, além de degustar a saborosa gastronomia Chilena em outros restaurantes. Essa viagem para o Chile com a bebê foi a nossa segunda viagem internacional. A primeira visitamos a Croácia, Montenegro, Bósnia e Alemanha.

Veja outros roteiros de viagem com crianças em: www.elizabethwerneck.com