Últimas notícias:

Loading...

34ª Bienal de São Paulo exibe mais de 1.100 obras de 91 artistas

Evento se destaca pela quantidade equilibrada de artistas homens e mulheres e por uma programação paralela que envolve 20 instituições. Saiba tudo:

Por: Redação

Até 05 de dezembro de 2021

Terça - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo

Terça, quarta, sexta, domingo e feriado, das 10h às 19h (entrada até 18h30)

Quinta e sábado, das 10h às 21h (entrada até 20h30)

*entrada permitida mediante apresentação de comprovante de vacinação contra Covid-19, impresso ou online.

Recursos de acessibilidade para pessoas com deficiência não informados pelo próprio organizador do evento

Grátis

Site: bienal.org.br

Telefone: (11) 5576-7600

Com adiamento de um ano por conta da pandemia de Covid-19, a 34ª Bienal de São Paulo chega com tudo! Até o dia 5 de dezembro, o público entra em contato com a produção de artistas que traduzem muito bem o espírito de seu tempo em suas obras.

34ª Bienal de São Paulo - Faz Escuro Mas eu Cantp
Crédito: Levi Fanan/ Fundação Bienal de São Paulo34ª Bienal de São Paulo acontece até 5 de dezembro

O evento é sempre grandioso. Dessa vez, só no Pavilhão Ciccillo Matarazzo estão expostos mais de 1.100 trabalhos de 91 artistas de todos os continentes. A visita é complementada pela inserção de 14 enunciados, elementos que não são necessariamente artísticos, mas, por seus significados e histórias marcantes, sugerem leituras diferentes para as obras dispostas ao redor.

O público pode contemplar, por exemplo, três objetos sobreviventes ao incêndio no Museu Nacional, mostrando como a ação de resistir pode tomar diversas formas.

São eles o meteorito Santa Luzia, que permaneceu sem nenhum dano; uma ametista (tipo de quartzo roxo) que adquiriu a coloração do citrino (um quartzo amarelo) ao ser exposta por muito tempo a uma altíssima temperatura; e uma ritxòkò, boneca doada à instituição por Kaimote Kamayurá, da aldeia Karajá de Hawaló, na Ilha do Bananal (TO), para substituir uma que foi destruída pelas chamas.

E, falando em resistência, outro enunciado impactante é a série de 120 retratos do jornalista, escritor e orador Frederick Douglass (1818 – 1895). Filho de uma mulher negra escravizada e de um pai branco desconhecido, ele se transformou na figura norte-americana mais fotografada do século 19, tornando-se um símbolo na luta pelo fim da escravidão.

Atenção: a entrada é gratuita e é obrigatório mostrar um comprovante de vacinação contra a Covid-19 para ter acesso à megaexposição.


#DicaCatraca: sempre lembre de usar a máscara de proteção, andar com álcool em gel e sair de casa somente se necessário! Caso pertença ao grupo de risco ou conviva com alguém que precise de maiores cuidados, evite passeios presenciais. A situação é séria! Vamos nos cuidar para sair desta pandemia o mais rápido possível. Combinado? ❤


  • Bienal de São Paulo para além do pavilhão

O público também pode expandir a vivência para as 20 instituições parceiras que apresentam uma intensa programação paralela de mostras individuais, como Instituto Moreira Salles, Instituto Tomie Ohtake, Itaú Cultural, Japan House, Pinacoteca e Museu Afro Brasil. Uma delas é a do chileno Alfredo Jaar, em cartaz no Sesc Pompeia. Falamos mais sobre ela aqui.

A ideia do evento como um todo é refletir sobre a importância da diversidade. Inclusive, uma das referências curatoriais foi explorar o conceito de que devemos nos relacionar uns com os outros sem nos compreendermos completamente, já que somos seres complexos e plurais.

Nesse sentido, os números impressionam! A participação de homens e mulheres está equilibrada e 4% dos convidados se identificam como não-binários. Ao mesmo tempo, a 34ª Bienal de Artes se destaca como a com maior representatividade indígena entre todas as edições com dados disponíveis: cerca de 10% dos artistas pertencem aos povos originários de diferentes partes do globo.

O Parque Ibirapuera também foi dominado pelas artes do evento. Um dos destaques é a instalação de Jaider Esbell, da etnia Makuxi, localizada perto das fontes do lago. Trata-se de dois objetos infláveis em formato de serpente, com 10 metros cada, estampados em cores vibrantes e com iluminação interna. Isso porque, no xamanismo, a cobra representa cura, transformação e regeneração.

A atriz Grace Passô marca a estreia na Bienal com a instalação de uma rádio de poste nos arredores do Pavilhão Ciccillo Matarazzo. Essa prática é bastante comum nas cidades pequenas, configurando-se como um mecanismo alternativo para a difusão de informações de interesse público. É a artista quem decide a programação, que pode ser ouvida dentro e fora da mostra.

A 34ª Bienal de São Paulo tem como título “Faz escuro mas eu canto” e não se restringiu aos museus e centros culturais. A edição também dominou o mundo virtual, com direito a um catálogo digital, um podcast, um curta-metragem, uma linha do tempo e muito mais. Acesse tudo neste link.

A realização da Bienal em 2021 ganhou um significado especial. É o aniversário de 70 anos dessa iniciativa que mudou para sempre a relação do Brasil com a arte contemporânea e com o circuito internacional. Ao longo de 33 edições,  o evento teve a participação de 140 países, 11.500 artistas ou coletivos, mais de 70 mil obras e 8,5 milhões de visitantes.

Assim, mostra se tornou o principal evento internacional de arte contemporânea do hemisfério sul e o segundo mais antigo do mundo! Acesse o site para ficar por dentro de toda a programação.

Aproveite e curta outras exposições incríveis na capital paulista: