Última semana do musical sobre Nara Leão no Teatro J. Safra

Espetáculo inédito aborda momentos marcantes da artista, que foi um dos principais ícones da MPB.
Até
17
de março 2019
Sexta - Sábado - Domingo
21h30 (sexta-feira)
21h (sábado)
20h (domingo)

site:

telefone: (11) 3611-3042

Por: Redação | Comunicar erro

Conhecida como a musa da bossa nova, Nara Leão marcou a história da Música Popular Brasileira com sua voz suave e afinadíssima, além de seu charme e carisma. De 08 a 17 de março, terá sua história contada e cantada no musical “Nara – A menina disse coisas”, que chega a São Paulo em estreia inédita no Teatro J. Safra.

Crédito: Janderson PiresEspetáculo inédito aborda momentos marcantes da artista, que foi um dos principais ícones da MPB.

Em parceria com a Chave VilaMundo o espetáculo oferece ingressos de R$ 70 reais por apenas 25%! Para receber o desconto basta apresentar o cupom na bilheteria do teatro. Pegue o seu cupom aqui.

Escrito pelo jornalista Hugo Sukman em parceria com o ator Marcos França, o musical aborda momentos marcantes da vida de Nara, que morreu aos 47 anos em 1989 após anos de luta contra um tumor cerebral. No palco, a personagem – idealizada pelo jornalista Christovam de Chevalier – é vivida por Aline Carrocino. Já França personifica os papeis masculinos, como o pai de Nara, Carlos Lyra, Ronaldo Bôscoli, Carlos Drummond de Andrade, entre outros.

A história se desenrola com a emancipação de Nara aos 16 anos. Seu encontro com Ronaldo Bôscoli, com quem romperia relações em seguida e, consequentemente, com a bossa nova também é apresentada, assim como a descoberta do câncer. É levado ao palco também a adesão de Nara ao samba de morro e às canções de protesto, da Tropicália; e o exílio na França, de onde voltou apaziguada com a bossa nova e com outros clássicos brasileiros.

O espetáculo tem como ponto de partida o show de Carlos Lyra nos 80 anos, quando o cantor é surpreendido pela presença de Nara na plateia. Ela sobe ao palco e, na hora de cantar “Primavera” da peça “Pobre menina rica” – de Vinicius de Morares e Carlos Lyra – tem um de seus lapsos de memória.

Em outro show com Roberto Menescal, Nara esqueceu completamente as letras e descobriu que estava doente. Após isso, foi diagnosticada com o tumor no cérebro. Ambos os fatos são misturados e a peça começa se desenvolver como se estivesse dentro da cabeça da artista, com ela em busca de sua memória. A partir deste momento, a vida de Nara começa a ser esmiuçada, porém sem seguir uma ordem cronológica.

Sob a direção musical de Guilherme Borges, a trama apresenta um repertório com mais de 15 canções significativas, como “Primavera” (Lyra e Vinicius), “Carcará” (João do Vale), “Se é tarde me perdoa” (Lyra e Bôscoli), “João e Maria”, “Soneto” “História de uma Gata”, de Chico Buarque, além de “A banda”, a primeira das muitas canções que gravaria com Chico.

Ao longo de quase cinco décadas de vida, Nara gravou 28 discos. O primeiro, “Nara”, em 1964 e o último “My Foolish Heart”, em 1989.

Compartilhe:

Autor: Por: Redação