Fernando Figueiredo teve que driblar preconceito; a solução veio com impacto social e ambiental[/img]

Denominada “Sonho de Liberdade”, a cooperativa de madeira sustentável, em Brasília, foi aberta na companhia de mais três colegas que sofreram o mesmo preconceito após sair da prisão. O trabalho começou com madeira descartada, encontrada no lixo. Hoje, a empresa produz móveis, tritura madeira para transformá-la em combustível e costura bolas.

Além disso, eles preocupam-se em ajudar outras pessoas que encontram dificuldades para conseguir emprego. Ao invés de procurar currículos qualificados, preferem ajudar pessoas que, como eles, também vivem situação complicada. A maioria dos 80 funcionários do local já cumpriu pena ou está em regime semi-aberto.