Até 2030, 80 milhões de empregos sumirão com mudanças climáticas

Elevação térmica deverá comprometer 2,2% do total das horas trabalhadas no mundo, principalmente na agricultura e na construção civil

Por: Redação | Comunicar erro

Esse calorzinho que tem esquentado o inverno até que é bem agradável, não? Saiba, porém, que essas temperaturas elevadas em dias que deveriam ser de frio sinalizam um problema que afeta também o mercado de trabalho. Segundo a OIT (Organização Internacional do Trabalho), as mudanças climáticas podem acabar com o equivalente a 80 milhões de empregos no mundo até 2030.

A agricultura será o setor mais afetado com a perda de empregos pelas mudanças climáticas
Crédito: iStock/fmajorA agricultura será o setor mais afetado com a perda de empregos pelas mudanças climáticas

Pense em um trabalhador agrícola. Ou da construção civil. Eles ficam mais expostos ao estresse térmico em suas atividades.

Trata-se de um calor superior ao que o corpo pode tolerar sem sofrer danos psicológicos, segundo a OIT. É o que se verifica quando o termômetro marca mais do que 35ºC em condições de muita umidade.

Existe a previsão de que, até o final do século, a temperatura mundial aumente em 1,5ºC.

O impacto dessa elevação é que vai comprometer 2,2% do total das horas trabalhadas no mundo.

E isso sobretudo em duas áreas: justamente a agricultura, com 60% de horas de trabalho perdidas, e a construção civil, com 19%. Afinal, são os setores em que os trabalhadores estarão mais vulneráveis às ondas de calor.

DESEMPREGO: CONFIRA 6 DICAS PARA VOLTAR AO MERCADO DE TRABALHO

Aliás, o problema deve acontecer principalmente no sul da Ásia e na África Ocidental. Nessas regiões, cerca de 5% das horas trabalhadas poderão ser perdidas até 2030.

Em termos de grana, as perdas causadas pelas mudanças climáticas na seara dos empregos somariam US$ 2,4 trilhões no mundo.

Os dados foram publicados no relatório “Trabalhar em um planeta mais quente: O impacto do estresse térmico na produtividade laboral e no trabalho decente”, divulgado pela OIT.

Com informações da Exame

Leia também: Como conseguir um emprego sem experiência profissional

1 / 8
1
06:43
Após ser acusado de comunista, Dimenstein cobra provas de Hasselmann
A deputada federal Joice Hasselmann perdeu a calma nas redes sociais ao atacar o jornalista Gilberto Dimenstein, acusando-o de militante …
2
04:53
Netflix e KondZilla lançam ‘Sintonia’, da periferia para o mundo
KondZilla tem razão quando afirma: "A favela venceu". “Sintonia”, a nova série da Netflix, prova isso. A ideia original é dele …
3
04:21
Sinais que indicam problemas no estômago
Ter tosse seca pode ser um sinal que o seu estômago não vai muito bem. Hoje, o Dr. Raul Cutait, médico …
4
03:43
O estrago de Frota é maior que o Bolsonaro poderia acreditar
Após ser expulso do PSL, o deputado federal Alexandre Frota confirmou sua filiação ao PSDB, partido de João Doria, governador …
5
03:03
Câmara aprova projeto de lei sobre abuso de autoridade
A Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei que define quais situações configuram abuso de autoridade. Agora, o texto …
6
04:07
Um pedido de desculpas à Angela Merkel pelas ofensas de Bolsonaro
Depois de dizer a um repórter que ele deveria fazer cocô dia sim, dia não para preservar o meio ambiente, …
7
03:26
Mortes provocadas pelo fim dos radares deveriam ter nome de Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro determinou nesta quinta-feira, 15, a suspensão dos radares de fiscalização de velocidade móveis em rodovias federais …
8
04:56
‘Risk’, na Netflix, vaza a imagem não autorizada de Julian Assange
Será que, em um ato de coragem, você arriscaria sua própria liberdade para trazer à tona realidades que manipulam a …