Publicidade

Informar

Desempregada e grávida, ela mudou a vida com venda de sapatos

Mãe de duas meninas, uma delas um bebê de seis meses, Aline Weiler viu na venda de sapatos uma forma de empreender e voltar ao mercado de trabalho

Por: Redação | Comunicar erro
...
Publicidade

Mãe de duas meninas, uma delas bebê, com seis meses de idade, a jornalista Aline Weiler, de 36 anos, buscou na venda de sapatos entre seu ciclo de amizades uma saída para atingir a sonhada flexibilidade de horários necessária para cuidar agora de duas crianças.

A ideia deu certo e em 2017 ela comemorou um faturamento mais do que robusto: vendeu mais de R$ 80 mil em pares para amigas e clientes na cidade de Curitiba, no Paraná.  “Com oito meses de gravidez fui demitida do emprego. A empresa passou por uma reestruturação e saiu do Paraná para São Paulo. Sair do meu Estado implicaria em uma mudança enorme de rotina, algo que definitivamente não combinava com um o final de uma gestação”, relembra a jornalista.

Divulgação
Empreendedora tem meta mais do que ousada para 2018: dobrar o faturamento de seu negócio

Alternativa para as contas do mês 

Casada há 11 anos, Aline viu a receita familiar cair com a ausência de seu salário e a inquietude de estar fora do mercado de trabalho buscou no mercado de franquias a saída para ajudar o esposo com as contas da casa.
“Comecei a estudar esse mercado e achei a Quinta Valentina. Conversei com meu marido e decidimos testar o negócio. Já no primeiro mês, oferecendo para minhas amigas e indicando para minhas vizinhas, tive um faturamento de R$ 15mil. Não tinha como não me animar”, comenta Aline sobre o começo.

Para ela, o grande segredo para o sucesso do negócio está na ausência de um ponto fixo, já que vende os pares em visitas às próprias clientes e utiliza ferramentas de comunicação como o whatsapp para prospectar e marcar as datas nas quais leva os sapatos às interessadas.

Atualmente Weiler, que dedica somente as tardes ao negócio, é a empreendedora que mais vende botas na rede.  Para 2018 o plano é aumentar o horário de trabalho e consequentemente seu faturamento. “Esse ano as duas meninas vão para escola, terei mais tempo para os sapatos apesar de não abrir mão de buscá-las no final da tarde. Hoje deixo de atender algumas clientes por conta da agenda. Elas serão atendidas sem que eu prejudique o relacionamento com a minha família”, finaliza a empreendedora que tem meta mais do que ousada para 2018: dobrar o faturamento de seu negócio.

Compartilhe:

Publicidade
Publicidade

Museu de Anatomia Humana da USP exibe peças que ensina como o seu corpo funciona

Cereja Flor: O lugar das taças de sorvetes gigantes em São Paulo

Fondue taiwanês é a próxima delícia que você tem de provar

Médica tira dúvidas sobre anticoncepcional

Refugiados se tornaram microempreendedores em um lava-rápido em São Paulo

Publicidade