44 mil alemães assinam petições em defesa da Amazônia

Segundo dados do Inpe, o desmatamento na Amazônia cresceu 278% em julho se comparado ao mesmo mês de 2018

Por: Change.org (Oficial)
Crédito: Divulgação/Change.orgChange.org Alemanha recebeu abaixo-assinado contra desmatamento da Amazônia

Em seis dias, 44,3 mil alemães se juntaram a duas mobilizações online criadas por brasileiros contra o desmatamento e em defesa da maior floresta tropical do mundo: a Amazônia. As campanhas foram abertas na plataforma Change.org pela estudante de Direito Valéria dos Santos Magalhães e pelo fisioterapeuta Gilberto Roque Sonoda. A primeira, que já acumula mais de 42,9 mil apoiadores na Alemanha, se posiciona contra o desmatamento e a exploração da floresta. Já a segunda, que soma 1,3 mil assinaturas no país europeu, defende o Fundo da Amazônia.

Valéria, que nasceu e mora em Manaus, cidade chamada de “o coração da Amazônia”, abriu a petição no Brasil ainda no ano passado, no mesmo dia em que Jair Bolsonaro venceu as eleições presidenciais. A motivação da jovem para lançar o abaixo-assinado foi perceber que o então recém-eleito defendia a exploração da Amazônia pelo agronegócio. “Eu me preocupei com isso e pensei que quanto antes [fizesse algo], melhor. Quanto antes algo fosse feito uma quantidade considerável de pessoas teria conhecimento do real problema e se mobilizaria”, diz.

Desde então, a campanha da manauara já reuniu mais de 315 mil assinaturas somente no Brasil. Para a estudante, o apoio recebido dos alemães demonstra que os brasileiros não estão sozinhos na causa. “A descrição da petição deixa bem clara a seriedade das consequências do desmatamento para o mundo todo, e ver que existe outro país tão preocupado quanto o nosso, um país de primeiro mundo onde a política ambiental é extremamente exemplar, só confirma que esse objetivo não é à toa e que é um assunto de extrema importância”, destaca Valéria.

Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o desmatamento na Amazônia cresceu 278% em julho se comparado ao mesmo mês de 2018. A devastação foi de 2.254,9 km² no mês passado, conforme medição feita pela ferramenta Deter (Detecção de Desmatamento em Tempo Real). Por mais de uma vez, o presidente Jair Bolsonaro criticou números divulgados pelo instituto, dizendo que eles não condizem com a verdade. O embate entre o presidente o instituto, que é reconhecido internacionalmente, terminou com a demissão do diretor do Inpe, Ricardo Magnus Osório Galvão, na última sexta-feira (2).

A autora do abaixo-assinado contra a exploração irresponsável da Amazônia enxergou a atitude do presidente com preocupação. “O Inpe, diferente do que o presidente acha, não é oposição, ele é imparcial. Se ele não acredita [nos dados], o problema é dele, mas isso não torna automaticamente os dados falsos. A demissão do ex-diretor passa uma imagem de um governo intolerante e extremamente autoritário”, comenta Valéria. “Se não for a opinião do presidente, então é inválido, o que de certa forma fere o real sentido de democracia”, completa.

Nesta quarta-feira (7), o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, participou de reunião da Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia na Câmara dos Deputados e de audiência pública no Senado Federal. Nos encontros, que terminaram em bate-boca entre o ministro e parlamentares ambientalistas, Salles disse que os dados do Inpe são interpretados e manipulados de forma “sensacionalista” e que o sistema adequado para mensurar o volume de desmatamento é o Prodes (Programa de Cálculo do Desflorestamento da Amazônia), que também pertence ao Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais e divulga taxas anuais.

“Acredito que ao ver que existem pessoas aqui que não concordam com as decisões do governo e que querem impedi-lo de fazer um estrago, os cidadãos de lá sentiram uma certa esperança e a petição foi a oportunidade que eles tiveram de contribuir”, diz a manaura e estudante de Direito sobre o fato de a petição criada por ela ter chamado a atenção dos alemães.

1,3 mil alemães assinam pelo Fundo da Amazônia

Crédito: Divulgação/Change.orgA campanha criada por Gilberto soma mais de 22 mil assinaturas nos dois países

O outro abaixo-assinado que chegou à Alemanha é de autoria do fisioterapeuta e especialista em acupuntura e gestão de sistemas e serviços de saúde, Gilberto Roque Sonoda. A petição, que se opõe a qualquer mudança na estrutura do Fundo da Amazônia, foi aberta no Brasil há pouco mais de dois meses, depois que o ministro do Meio Ambiente defendeu alterações nas regras do Fundo para que parte dos recursos fossem destinados à indenização de proprietários de terras.

“Infelizmente, a política adotada pelo governo Bolsonaro é contrária às preocupações do mundo, e caminha para a entrega da nossa Floresta Amazônica à exploração descontrolada, com aumento do seu desmatamento, conforme vem sendo apontado pelo Inpe”, ressalta Gilberto. “O mundo está ciente das atrocidades que este governo já está fazendo e estimulando contra o meio ambiente. Nossa imagem está muito desgastada no exterior”, acrescenta.

Na audiência pública no Senado, Ricardo Salles falou sobre o Fundo da Amazônia, defendendo que ele deve ser aplicado “à luz do que interessa ao Brasil”, acusando que recursos são distribuídos a ONGs com “narrativas distantes da realidade amazônica”. Há uma década, o Fundo investe em projetos de combate ao desmatamento e incentivo do desenvolvimento sustentável. De acordo com dados divulgados em seu site, pelo menos R$ 3 bilhões já foram captados para pesquisas e geração de renda na floresta considerada “pulmão do mundo”.

Para Gilberto, o apoio que sua petição recebeu na Alemanha não o surpreende, isso porque junto com a Noruega, o país é responsável por 99% das doações ao Fundo e ambas as nações ameaçaram interromper as verbas caso ocorra alguma alteração na destinação dos recursos.

“Toda a União Europeia está ciente da necessidade de preservação das florestas do mundo, especialmente a Amazônia, mas não somente ela. Caminhamos para um enorme desequilíbrio climático causado pelo consumo excessivo e desenfreado, que gera enorme emissão de gases estufa, geração exorbitante de lixo, especialmente o plástico, desmatamento de nossas florestas e contaminação de nossas águas”, comenta o fisioterapeuta que em sua casa pratica a compostagem do lixo, além de reciclagem, plantio de árvores e economia de água.

O abaixo-assinado de Gilberto conta com 21,5 mil assinaturas somente no Brasil. Juntas, as petições dele e de Valéria somam mais de 381 mil assinaturas nos dois países. Abertas na plataforma no Brasil, as campanhas foram traduzidas e divulgadas na Change.org da Alemanha.

“Ele [o presidente Bolsonaro] tem desprezo pela ciência, pela cultura e pelo meio ambiente”, afirma o fisioterapeuta. “Com a demissão do presidente do Inpe, ele mostra o seu total descaso com as instituições científicas que monitoram e protegem o meio ambiente. Se um governo não reconhece as informações passadas por essas instituições, seus cientistas e técnicos, ele está afirmando que seu interesse não é o da preservação do meio ambiente”, opina Gilberto.

A Change.org também hospeda outra campanha que pede a demissão do ministro Ricardo Salles. A petição online conta até o momento com 3,2 mil assinaturas.

Por: Change.org (Oficial)

O maior portal de petições online do Brasil. São 280 milhões de pessoas fazendo a diferença em 196 países e 19 milhões só no Brasil. Instagram: https://www.instagram.com/changeorg_br/

Termos da rede:

Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do usuário Change.org Brasil da Rede Catraca.

O Catraca Livre disponibiliza espaço no site para que qualquer interessado possa contribuir com cidades mais acolhedoras, educadas e criativas, sempre respeitando a diversidade de opiniões.

As informações acima são de responsabilidade do autor e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

1
Entenda todos os desdobramentos das prisões em Alter do Chão
Os quatro brigadistas que haviam sido presos preventivamente na operação Fogo de Sairé, da Polícia Civil do Pará, deixaram a …
2
Ajude a manter vivo o sonho da única orquestra do mundo criada e manti
A Orquestra Sinfônica de Heliópolis é a única orquestra sinfônica do mundo mantida numa favela. Mensalmente são mais de 1.300 …
3
Novo partido de Bolsonaro participará das eleições em 2020?
Bolsonaro realizou na semana passada a convenção de lançamento de seu novo partido, a Aliança pelo Brasil, que terá o …
4
A indústria da morte nas estradas federais
Meses após a desativação dos radares móveis nas estradas federais do país, dados revelam um aumento nos casos de acidentes …
5
Governo Bolsonaro usa AI-5 como instrumento de ameaça?
Em viagem a Washington, nos Estados Unidos, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse a jornalistas para não se assustarem …
6
Bolsonaro e Witzel usam o Flamengo como palanque político?
Não é de hoje que o futebol é usado como palanque político no Brasil. A paixão nacional foi utilizada pelos …
7
Os sinais de um relacionamento abusivo
Identificar os sinais de um relacionamento abusivo e violento nem sempre é fácil. O controle é mascarado pela preocupação e …
8
Brasil pedirá ajudar internacional para controlar crise na Amazônia
O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, anunciou que o Brasil deve participar da Conferência do Clima da ONU (COP-25), …