Adolescente grava assédio e Uber bane motorista do aplicativo

“Não sou teu pai e faria coisas que teu pai não faria”, disse o motorista a jovem de 17 anos

Por: Redação

Uma adolescente de 17 anos gravou um caso de assédio sofrido durante uma corrida pelo aplicativo Uber em Viamão, na região Metropolitana de Porto Alegre (RS). O caso ocorreu no domingo, 16.

No vídeo publicado nas redes sociais, é possível ouvir o motorista sugerindoa jovem que pode “namorar” com ela e que não há problema nisso, já que a menina é maior de 13 anos.

Crédito: IStock“Não sou teu pai e faria coisas que teu pai não faria”, disse o motorista do Uber a jovem de 17 anos

A garota tenta mudar o rumo da conversa dizendo ter idade para ser filha dele. Nesse momento, o condutor responde: “não sou teu pai e faria coisas que teu pai não faria. Pode ter certeza”.

Em nota, a Uber disse que considera a conduta do motorista inaceitável e defende a importância de “combater, coibir e denunciar casos dessa natureza às autoridades competentes”. A empresa também informou que ele foi banido da plataforma.

O que fazer caso eu seja vítima de um assédio?

  • Peça ajuda a quem estiver por perto e acione policiais que estiverem no local. Depois, registre um boletim de ocorrência na delegacia mais próxima. Casos assim não podem ser registrados por boletim de ocorrência online;
  • Guarde todas as informações que conseguir referentes ao assédio: anote o dia, horário e local, nome e contato de testemunhas, características do agressor, tire fotos, filme etc. Verifique também se há câmeras no local do crime, pois, a partir disso, as imagens poderão ser solicitadas. Quando fizer o boletim de ocorrência ou qualquer outro tipo de denúncia, é importante levar o maior número de provas do ocorrido. Isso inclui vídeos e fotos no celular, testemunhas, conversas em redes sociais, entre outras. As autoridades policiais precisam de material para conduzir a investigação e a depender do caso, repassar para o Ministério Público. Muitos casos não seguem por falta de provas ou falta de indícios de quem é o autor;
  • Infelizmente, é comum o uso de drogas como “Boa Noite Cinderela” e outras para que a vítima fique sonolenta e mais suscetível ao estupro. Caso o abuso tenha ocorrido através desta prática, é importante que a vítima faça o Exame Toxicológico (através de exame de sangue e urina) em no máximo 5 dias após a ingestão. O ideal é realizar o exame o quanto antes possível;
  • Você pode fazer uma denúncia pelos telefones da Polícia Militar (190) e do Disque 180;
  • É importante ressaltar que a autoridade policial não pode se recusar a registrar a ocorrência. Infelizmente, há casos em que a autoridade policial tenta dissuadir a vítima de fazer o boletim. Caso isso aconteça, registre uma reclamação na ouvidoria do órgão em que ocorreu a recusa. Sendo ineficaz, procure o Ministério Público local para denunciar a recusa e o crime.