Adolescente morre durante mutilação genital no Egito

Embora seja proibida, a prática de mutilação genital feminina ainda é bastante recorrente no país

Por: Redação

A jovem Mayar Mohamed Mousa, de 17 anos, morreu no último domingo, dia 29, após ser submetida pelo processo de mutilação genital no Egito, país em que a prática é proibida. Ainda hoje, esse procedimento afeta milhões de mulheres em todo o mundo.

“Isso é algo que a lei proibiu”, afirmou Lotfi Abdel-Samee, representante do Ministério da Saúde na província de Suez, onde o caso aconteceu. Mayar, que é filha de enfermeira com pai cirurgião, morreu por complicações enquanto estava sob anestesia geral em um hospital particular.

De acordo com informações das autoridades, a irmã da adolescente também havia passado pela cirurgia naquele dia. A operação foi realizada por uma médica registrada. Depois da ocorrência, o hospital foi fechado na segunda-feira e todos os pacientes foram transferidos.

O gerente do local e a equipe médica envolvida no procedimento foram interrogados, além dos pais da vítima.

O procedimento é proibido desde 2008 no Egito

Proibição

Desde 2008, a mutilação genital feminina é proibida no Egito, mas ainda é bastante comum, principalmente nas áreas rurais, como uma prática religiosa para muçulmanos e cristãos.

No entanto, a pena para quem desrespeitar a lei é baixa. A primeira condenação ocorreu em janeiro do ano passado, com o médico Raslan Fadl, que recebeu sentença de dois anos de prisão por homicídio e mais três meses pela mutilação de uma jovem de 13 anos que morreu durante a cirurgia.

Segundo a Unicef, atualmente existem cerca de 200 milhões de mulheres que sofreram mutilação genital em 30 países, sendo que a metade dos casos se concentra em três nações: Etiópia, Indonésia e Egito.

ONU e Egito condenam morte da jovem

As Nações Unidas e várias instituições egípcias condenaram a morte da garota de 17 anos. Em comunicado, a ONU mostrou seu “profundo pesar pelas informações recentes sobre a trágica morte (ontem) da menina Mayar Mohammed Moussa, na província egípcia de Suez, após ser submetida à mutilação genital”.

A organização também elogiou diversos comunicados do Conselho Nacional da População e do Conselho Nacional da Mulher, no Egito, que denunciaram o ocorrido.

Em nota, o Conselho Nacional da Mulher condenou “o crime horrendo cometido contra a menor de 17 anos, que morreu ontem como consequência da mutilação à qual foi submetida em um hospital privado”. Além disso, pediu a necessidade da aplicação da lei e de um maior castigo às pessoas que causaram a morte da menor.

Embora a prática seja recorrente, de acordo com a ONU, o Egito registrou “avanços positivos na luta contra a mutilação feminina”, e entre 2008 e 2014 houve uma redução de 13% do processo em jovens entre 15 e 17 anos.

Apesar desses dados, “ainda resta um longo caminho para acabar com esta prática perigosa que contradiz os direitos da mulher e das meninas, e que pode ter consequências físicas, psicológicas e inclusive pode chegar a causar a morte”, afirmou o comunicado das Nações Unidas.

Compartilhe:

1
A repercussão dos ataques machistas à jornalista Patrícia Campos Mello
No final da última semana, Hans River do Rio Nascimento foi chamado para prestar depoimento na CPMI das Fake News. …
2
Governo Bolsonaro libera pesca em áreas de conservação ambiental
Uma portaria do Instituto Chico Mendes (ICMBio), órgão vinculado ao Ministério do Meio Ambiente, autorizou a pesca esportiva e amadora …
3
Chuva forte deixa São Paulo debaixo d’água
A chuva que começou ontem não deu sinal de trégua e fez São Paulo amanhecer debaixo d’água nesta segunda-feira, 10. …
4
Coronavírus: aviões da FAB vão retirar brasileiros de Wuhan, na China
Dois aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) decolaram nesta quarta-feira, 5, em direção a Wuhan, na China, para retirar os …
5
BBB20: Mulheres decidem o destino de Pétrix Barbosa
A união das mulheres  decidiu o destino de Pétrix não apenas no Big Brother Brasil 20, mas também fora da …
6
Damares Alves: abstinência sexual, protesto e contradição?
Por que este grupo de mulheres deu as costas para a ministra Damares Alves enquanto ela defendia sua política de …
7
Bolsonaro e a demissão do secretário que viajou com jato da FAB
O presidente Jair Bolsonaro anunciou em sua conta no Twitter que vai tornar sem efeito a nomeação de José Vicente …
8
Visibilidade trans: a história de Thais de Azevedo
O que é violência para você? Para Thais de Azevedo essa pergunta resume uma trajetória de vida. Como mulher trans, …