Advogado defensor dos direitos humanos é morto nas Filipinas

Contrário à política antidrogas do governo filipino, advogado foi morto enquanto caminhava por uma praça

Por: Redação | Comunicar erro
Política antidrogas já causou a morte de mais 10 mil pessoas nas Filipinas desde 2016 – Wikipedia/Reprodução 

Desde que assumiu a presidência das Filipinas, em junho de 2016, Rodrigo Duterte empenhou-se numa fúnebre campanha de guerra às drogas, cujo maior resultado se dá em sucessivos episódios de violação de direitos humanos. Além de mais de 12 mil mortos em operações policiais ou execuções extrajudiciais não esclarecidas.

Na última terça-feira, 6,  a morte do advogado Benjamin Ramos, 56 anos, expôs aos mundo o lado controverso de um governo que não esconde sua retórica facínora, assumidamente inspirada no legado de Adolf Hitler.

Segundo informações do jornal The  New York Times, Benjamin Ramos era secretário-geral do Sindicato Nacional dos Advogados do Povo (NUPL).

Oferecia, gratuitamente, assistência jurídica para clientes pobres alvos da polícia, soldados e esquadrões da morte.  A exemplo do recente massacre que, em outubro, deixou nove camponeses mortos na província de Negros Occidental. As vítimas acampavam em uma fazenda na cidade de Sagay onde reivindicavam questões ligadas à reforma agrária. Entre os mortos, estavam dois menores.

Ramos também era conhecido por defender causas ambientalistas, presos políticos e comunidades ruais. Foi morto por homens em uma moto que dispararam  contra ele  enquanto caminhava por uma praça, em Kabankalan, no centro do país. Em nota, a NUPL divulgou um comunicado no Facebook, lembrando ao menos 34 advogados foram assassinados nas Filipinas desde que Duterte assumiu o poder. Todos eles ligados à luta de minorias.

Segundo a Global Witness, as Filipinas são o segundo país perigoso do mundo ativistas ambientais ou ligados a pautas agrícolas. Em 2017, 48 pessoas foram mortas e, neste ano, apenas no primeiro semestre, 24. Perde apenas para o Brasil.

Compartilhe:

Tags: #Filipinas
1 / 8
1
06:43
Após ser acusado de comunista, Dimenstein cobra provas de Hasselmann
A deputada federal Joice Hasselmann perdeu a calma nas redes sociais ao atacar o jornalista Gilberto Dimenstein, acusando-o de militante …
2
04:53
Netflix e KondZilla lançam ‘Sintonia’, da periferia para o mundo
KondZilla tem razão quando afirma: "A favela venceu". “Sintonia”, a nova série da Netflix, prova isso. A ideia original é dele …
3
04:21
Sinais que indicam problemas no estômago
Ter tosse seca pode ser um sinal que o seu estômago não vai muito bem. Hoje, o Dr. Raul Cutait, médico …
4
03:43
O estrago de Frota é maior que o Bolsonaro poderia acreditar
Após ser expulso do PSL, o deputado federal Alexandre Frota confirmou sua filiação ao PSDB, partido de João Doria, governador …
5
03:03
Câmara aprova projeto de lei sobre abuso de autoridade
A Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei que define quais situações configuram abuso de autoridade. Agora, o texto …
6
04:07
Um pedido de desculpas à Angela Merkel pelas ofensas de Bolsonaro
Depois de dizer a um repórter que ele deveria fazer cocô dia sim, dia não para preservar o meio ambiente, …
7
03:26
Mortes provocadas pelo fim dos radares deveriam ter nome de Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro determinou nesta quinta-feira, 15, a suspensão dos radares de fiscalização de velocidade móveis em rodovias federais …
8
04:56
‘Risk’, na Netflix, vaza a imagem não autorizada de Julian Assange
Será que, em um ato de coragem, você arriscaria sua própria liberdade para trazer à tona realidades que manipulam a …