Publicidade

Informar

Amoras inteligentes

Por: Redação | Comunicar erro
...
Publicidade

Desde domingo passado, cinco amoreiras, todas com frutos apesar de fora de época, estão num trecho da avenida Paulista. Tirando seus inventores, quase ninguém sabe que são árvores inteligentes: elas se movimentam sozinhas para tirar a poeira de suas folhas, como se quisessem ficar limpas da poluição.

O movimento é regido por sensores, localizados nos galhos, que captam os mais diversos sons – o barulho de um escapamento de moto, por exemplo. “Não é apenas uma exibição de tecnologia, mas uma peça de arte”, afirma Gilberto Prado, coordenador do grupo Poéticas Digitais, responsável pela experiência.

As amoreiras inteligentes são uma síntese da formação profissional e acadêmica de Gilberto Prado, professor de multimeios da Escola de Comunicação e Artes (ECA), da USP, formado simultaneamente em engenharia mecânica e artes plásticas.

Trecho da coluna Urbanidade, publicada no jornal Folha de S. Paulo

Conheça mais sobre o projeto Poéticas Digitais. Clique aqui.

Veja os destaques da mostra “Emoção Artificial” no Itaú Cultural

Compartilhe:

Publicidade
Publicidade

Você sabe o que é feminicídio?

O restaurante de comida havaiana do ex-masterchef Ravi

Conheça o lavandário de Cunha

ASMR: O fenômeno do "orgasmo mental"

Publicidade