Publicidade

Informar

Betty Faria defende José Mayer e chama figurinista de ‘piveta’

A atriz minimizou o caso de assédio denunciado pela figurinista Susllen Tonani

Por: Redação | Comunicar erro
...
Publicidade
Betty Faria José Mayer
Crédito: ReproduçãoBetty Faria sai em defesa de José Mayer

A atriz Betty Faria concedeu uma recente entrevista ao portal UOL em que falou sobre as acusações de assédio sexual feitas por uma figurinista da TV Globo contra o ator José Mayer.

Colega de profissão e de emissora de Mayer, a artista saiu em defesa do famoso, a quem ela considera “um super ator”, que teria sido “prejudicado” por Susllen Tonani.

“É um super ator, que foi seriamente prejudicado. Acho que foi um carma espiritual pintar aquela piveta na vida dele, que acusou Mayer de assédio sexual no ano passado”, declarou Faria.

“Tem maquiadora da Globo que viu aquela moça pegar várias vezes a chave do carro da mão dele; tinha uma história ali de amizade, de companheirismo. Não sei o que aconteceu, que eles se desentenderam e ela resolveu tirar uma onda”, contou a atriz.

Crédito: ReproduçãoBetty Faria trabalha em várias produções ao lado de José Mayer

Betty Faria continuou seu depoimento criticando as atrizes mais jovens que na época das acusações prestaram solidariedade à figurinista e se posicionaram contrárias a José Mayer.

“E as atrizes mais jovens, ingênuas, resolveram comprar a história dela. Depois do Wilker, ele foi o ator com quem mais trabalhei. E ele nunca fez assédio comigo e nunca vi fazer com ninguém. É um colega maravilhoso. Fiquei muito triste com o que aconteceu”, declarou ela.

José Mayer está afastado das teledramaturgias da TV Globo desde o final da novela “A Lei do Amor”, quando foi acusado pela figurinista Susllen Tonani de assédio.

Compartilhe:

Publicidade
Publicidade

Museu de Anatomia Humana da USP exibe peças que ensina como o seu corpo funciona

Cereja Flor: O lugar das taças de sorvetes gigantes em São Paulo

Fondue taiwanês é a próxima delícia que você tem de provar

Médica tira dúvidas sobre anticoncepcional

Refugiados se tornaram microempreendedores em um lava-rápido em São Paulo

Publicidade