Bolsonaro veta gratuidade de bagagens em voos domésticos

A Medida Provisória permite a presença de 100% de capital estrangeiro nas companhias aéreas no país

Por: Redação | Comunicar erro

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) vetou a gratuidade para bagagens de até 23 quilos em voos domésticos, nesta segunda-feira, 17.

Crédito: Agência Brasil/Fernando FrazãoBolsonaro veta gratuidade de bagagens em voos domésticos

A gratuidade constava em um trecho da medida provisória aprovada no mês passado pelo Congresso Nacional que também regrava a presença de capital estrangeiro nas companhias no país.

Com o veto da gratuidade na franquia de bagagens despachadas, as companhias aéreas poderão voltar a cobrar, ficando os passageiros isentos apenas de bagagens de mão até 10 quilos.

Mas o Congresso Nacional poderá derrubar o veto presidencial quando vier a analisá-lo. Porém, ainda não há previsão de quando essa medida provisória será apreciada pelos congressistas em sessão conjunta da Câmara dos Deputados e do Senado.

Comunicado a imprensa

Em entrevista à imprensa no início da noite desta segunda-feira, o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, disse que Bolsonaro analisou “vários aspectos” para tomar a decisão de vetar a regulamentação da franquia de bagagem.

“Por razões de interesse público, violação ao devido processo legislativo, e suas consequências para a atratividade do mercado nacional”, ressaltou o porta-voz.

Franquias de bagagem

O texto da MP vetado por Bolsonaro permitia, sem cobrança adicional, uma mala de 23 kg nas aeronaves acima de 31 assentos. Em aeronaves de 21 a 30 assentos, o passageiro poderia despachar sem custo adicional uma mala de até 18 kg. Mas já em aeronaves de até 20 assentos, a franquia seria de 10 kg.

Em voos com conexão, deverá prevalecer a franquia de bagagem referente à aeronave de menor capacidade.

Capital estrangeiro

A MP altera o Código Brasileiro de Aeronáutica e estabelece que a concessão ou a autorização somente será dada a empresas que respondam às leis brasileiras e que tenham sede e administração no país. Isso não impede, porém, que as companhias contem com 100% de capital estrangeiro. Este tema na MP não foi alterado.

Antes da medida provisória, o Código Brasileiro de Aeronáutica determinava que pelo menos 80% do capital com direito a voto em aéreas deveriam pertencer a brasileiros – ou seja, limitava até 20% de participação de capital estrangeiro com direito a voto nas empresas. A MP revogou essa limitação e abriu totalmente as empresas ao capital externo.

1 / 8
1
04:31
Ministro da Educação bate-boca com manifestantes no Pará
De férias com a família em Alter do Chão (PA), o Ministro da Educação, Abraham Weintraub, se envolveu em uma …
2
02:46
Contra o machismo, Sandy e Junior mudam o final de Maria Chiquinha
Durante uma apresentação em Fortaleza, no Ceará, o cantor Junior deu uma lição contra o machismo e mudou o final …
3
02:21
[ALERTA GATILHO] Jovem descobre estupro coletivo após imagens vazarem
Uma jovem de 22 anos de idade foi vítima de estupro coletivo na Região Serrana do Rio de Janeiro (RJ), …
4
02:14
[ALERTA GATILHO] Menina pede pra morrer após ser estuprada
Após ser estuprada pelo primo, de 32 anos, menina de 5 anos pede pra morrer. O caso aconteceu em Cubatão, …
5
02:17
Mulheres vítimas de violência estão mais expostas à morte por doenças
Um estudo inédito do Ministério da Saúde divulgado pelo jornal Folha de S. Paulo revela que mulheres expostas à situações …
6
03:46
‘Pretendo beneficiar um filho meu, sim’ diz Bolsonaro sobre embaixada
Em uma transmissão ao vivo pelas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a nomeação de seu filho, …
7
03:15
Num ato de coragem, MBL pede desculpas publicamente
O jornalista Gilberto Dimenstein e a Catraca Livre já foram diversas vezes vítimas das milícias digitais do MBL com as …
8
03:04
O real motivo do ataque de Bolsonaro ao filme de Bruna Surfistinha
Jair Bolsonaro decidiu atacar o filme realizado por Deborah Secco sobre a ex-prostituta Bruna Surfistinha. Motivo oficial: o filme, usando …