Brasileiros contestam embaixada alemã: “nazismo é de esquerda”

Na Alemanha, negar o Holocausto, exibir símbolos nazistas e fazer a saudação a Adolf Hitler é considerado crime

Por: Redação Comunicar erro

Em março deste ano, em entrevista ao jornal espanhol El País, o intelectual norte-americano Noam Chomsky foi enfático: “a desilusão com as estruturas institucionais levou a um ponto em que as pessoas já não acreditam nos fatos”.

Mais que uma reflexão sobre o atual cenário político nacional, a declaração expõe, à certa medida, o adoecimento de uma sociedade carente, sobretudo, de recursos educacionais. Capaz de fazer com que, em 2018, brasileiros chamem de “holofraude” o genocídio que provocou a morte de seis milhões de judeus entre 1933 e 1945.

Recentemente, um vídeo divulgado pela Embaixada da Alemanha no Brasil virou polêmica nas redes sociais. Feito para divulgar a história do país, o conteúdo destaca que os alemães “são ensinados a confrontar os horrores do Holocausto”. Além disso, mostra que a população não tem vergonha de falar sobre o passado nazista, principalmente para evitar que o erro se repita.

E ressalta que, ao contrário do que recentemente questionou-se entre os brasileiros, o nazismo é uma ideologia estritamente associada ao pensamento reacionário – para isso recorreu à citação do atual ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Mass: “Devemos nos opor aos extremistas de direita, não devemos ignorar, temos que mostrar nossa cara contra neonazistas e antissemitas”.

Todo dia um 7 a 1 diferente 

Entretanto, o conteúdo produzido pela embaixada logo provocou uma enxurrada de críticas por parte de militantes direitistas. Segundo eles, o nazismo não só seria um um movimento de esquerda – já que o partido se chamava Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães – como argumentam que a centralização do poder exercida por Hitler se assemelha a ditadores como Fidel Castro.

Para além dos livro de história, houve até quem negasse a existência do massacre que matou seis milhões de judeus, referindo-se ao episódio como holofraude.

Em meio à polêmica e demonstrações de pouco conhecimento sobre o tema, a Embaixada da Alemanha rebateu a contestação categoricamente: “holocausto é um fato histórico, com provas e testemunhas que podem ser encontradas em muitos lugares da Europa”.

Compartilhe:

1 / 8
1
08:31
Lobão explica como funciona a mente de Olavo de Carvalho
Em entrevista ao vivo no estúdio da Catraca Livre para o jornalista Gilberto Dimenstein, o cantor Lobão, ex-afeto de Olavo …
2
03:39
Alter do Chão sofre com incêndio de grandes proporções
As chamas que consomem uma área de preservação ambiental de Alter do Chão, em Santarém, no Pará, voltaram a se …
3
09:33
Glenn Greenwald: Os limites do jornalismo no governo Bolsonaro
Em entrevista a Gilberto Dimenstein, da Catraca Livre, Glenn Greenwald, fundador do The Intercept Brasil, site responsável pela série de …
4
03:50
Clã Bolsonaro nomeou familiares para cargos de confiança
Uma reportagem publicada pela revista Época mostra que 17 familiares de Ana Cristina Valle, ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro,  foram …
5
10:59
David Miranda x Coaf: Glenn Greenwald fala sobre a investigação
Uma matéria publicada pelo jornal O Globo deu destaque para um relatório do Coaf, em que o deputado federal David …
6
05:12
Glenn Greenwald fala qual foi a matéria mais importante da #VazaJato
Qual foi a matéria mais importante da #VazaJato até agora? Quem responde essa pergunta é o jornalista Glenn Greenwald, do …
7
04:32
É possível apoiar a #VazaJato ao mesmo tempo que a Operação Lava Jato?
O jornalista Glenn Greenwald, fundador do site The Intercept Brasil, deu uma longa entrevista ao jornalista Gilberto Dimenstein sobre a …
8
06:21
Prefeito do Rio censura HQ dos Vingadores por conta de beijo gay
O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, mandou recolher todos os exemplares do gibi “Vingadores – A Cruzada das …