Últimas notícias:

Loading...

Defesa divulga vídeo de Jairinho fazendo boca a boca no menino Henry

De acordo com a defesa de Jairinho, essas imagens comprovariam que houve da parte dele e da mãe do menino, socorro a Henry ainda vivo

Por: Redação

A defesa Jairinho divulgou, nesta terça-feira, 26, vídeo da câmera de segurança do prédio, em que ele aparece fazendo respiração boca-a-boca do menino Henry Borel, dentro do elevador, quando estavam a caminho do hospital, na madrugada de 8 de março, dia da morte da criança.

Jairinho, a mãe e o menino Henry desacordado no elevador
Crédito: Reprodução/Twitter @@SouDePMWDefesa divulga vídeo de Jairinho fazendo boca a boca no menino Henry

A imagens mostram o momento em que vereador cassado e médico suspenso, junto com a esposa, a professora Monique Medeiros da Costa e Silva, mãe do menino Henry Borel, estão com a criança desacordada no elevador do prédio em que moravam, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro.

De acordo com a defesa de Jairinho, essas imagens comprovariam que houve da parte dele e da esposa, socorro a Henry ainda vivo.

Filha de ex de Dr. Jairinho revela que era espancada e deixada nua

“Esta filmagem revela que Henry foi levado com vida ao hospital, outras circunstâncias que constam dos laudos conduzem a esta conclusão, contrariando a versão acusatória”, disse Braz Sant’anna, advogado de Jairinho.

A polícia alega que Henry já chegou sem vida ao Barra D’Or. “Ficou expressamente demonstrado pela equipe médica e pelos laudos periciais que, embora e tenha sido submetido a manobras de ressuscitação por bastante tempo, em nenhum momento ele apresentou frequência cardíaca. Ele já chegou morto”, afirmou o delegado Henrique Damasceno, ao Tribunal do Júri.

O casal saiu de casa, de acordo com as imagens, por volta das 4h10. Laudos da perícia, no entanto, indicam que Henry havia morrido pelo menos duas horas antes.

O menino Henry Borel morreu aos 4 anos de idade, dentro da casa em que morava com a mãe e o padrasto, no dia 8 de março de 2021. Na época, o casal alegou que a criança havia sofrido um acidente doméstico, mas de acordo com a perícia realizada pelo Instituto Médico-Legal (IML), ele veio a óbito por agressão após a constatação de 23 lesões em seu corpo.