Com 600 mortes nos últimos seis anos, Brasil é o país que mais mata travestis e transexuais

Pesquisa divulga dados sobre a violência conta população trans no Brasil: o país que mais mata travestis e transexuais em todo o mundo

Por: Redação

Em seis anos, de 2008 a 2014, 604 travestis e transexuais foram assassinadas no Brasil, que se tornou o país mais transfóbico do mundo. Os dados foram divulgados pela organização não governamental Transgender Europe, rede europeia de organizações que apoiam os direitos da população transgênero.

Os números vão ao encontro do relatório sobre Violência Homofóbica no Brasil, publicado em 2012, pela Secretaria de Direitos Humanos, que registrou ao menos 3.084 denúncias de violações relacionadas à população LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transgêneros), envolvendo 4.851 vítimas.

Reprodução
Números apresentados pela Secretaria de Direitos Humanos, em 2012

Naquele ano, os números apresentados pelo relatório mostravam que 71% das vítimas era do sexo masculino e 20% feminino. Entre as denúncias, crimes de violência psicológica foram reportados por 83,2% do total, seguidas por discriminação, com 74% e violência física com 32,68%.

Lesões corporais foram as formas de violência mais registradas por 59,35% das denúncias, seguidas por maus tratos, segundo 33,54% dos registros. Tentativas de homicídios totalizaram 3,1%, com 41 ocorrências, enquanto assassinatos contabilizaram 1,44% das denúncias, com 19 ocorrências. Além do Disque Denúncia, o relatório também levou em conta, ainda, notícias publicadas em veículos de comunicação.

Sangue jorra nos jornais

Ainda em 2012, segundo o levantamento, foram noticiadas 511 violações contra a população LGBT: 310 homicídios. Neste quadro, travestis foram as maiores vítimas de ataques, em 51,68% do total, seguidos por gays (36,79%) lésbicas (9,78%) e bissexuais (0,39%).

Sobre os diferentes tipos de ataque registrados, a violência física foi a mais relatada, com 74,56%; seguida pelas discriminações (8,02%), violências psicológicas (7,63%) e violência sexual (3,72%).

Entre as violências físicas, os homicídios são os mais noticiados, com 74,54%, seguidos por lesões corporais (10,76%), latrocínios (6,82%) e tentativas de homicídio (7,87%). De acordo com o documento, 54,19% das vítimas eram do sexo masculino e 40% eram travestis. Confira os resultados completos da pesquisa.

Compartilhe:

1
A queda: entenda a polêmica que custou o cargo de Roberto Alvim
Após praticamente reproduzir um discurso do ministro nazista Joseph Goebbels, o ex-secretário de Cultura, Roberto Alvim, protagonizou uma polêmica que …
2
Impunidade de Victor não é caso isolado no Brasil de Bolsonaro
Victor Chavez, cantor sertanejo da extinta dupla Victor e Léo, foi condenado por agredir a esposa grávida de quatro meses …
3
Anarquia da ponte pra lá: a história do punk na periferia de SP
Autor do livro My Way, Valo Velho é história viva da cena anarcopunk de São Paulo. A Catraca Livre foi até …
4
Backer: entenda o caso das cervejas contaminadas
O Ministério da Agricultura suspendeu a venda de cervejas da marcar Backer e determinou que a empresa faça um recall …
5
O que é liberdade de expressão?
O que é liberdade de expressão? Entenda o significado e a importância desse direito tão importante para todos nós neste …
6
Entenda o acordo nuclear que envolve EUA x Irã
Errata: ao contrário do que aparece no vídeo, o nome do especialista entrevistado é Lucas Leite e não Felipe. O …
7
Depois de ataque e perseguição, Porta dos Fundos é alvo de censura
A Justiça do Rio de Janeiro resolveu mandar retirar do ar “A Primeira Tentação de Cristo”, um Especial de Natal …
8
“Imprecionante”: ministro Weintraub comete novo erro de português
O ministro da Educação, Abraham Weintraub, escorregou de novo na língua portuguesa e a internet não deixou passar. Ao agradecer um …