Criadora do grupo contra Bolsonaro: ‘Sou uma sequestrada digital’

"Estou com uma mordaça virtual, sinto-me como uma sequestrada sendo torturada a assistir o desenrolar do grupo sem poder nos defender"

Por: Redação
Ludmilla Teixeira: “Sequestrada Digital”

A publicitária baiana Ludimilla Teixeira criou o maior fenômeno da internet nestas eleições: o grupo “Mulheres Unidas Contra Bolsonaro” atingiu 2 milhões de seguidoras.

Foi acusada de uma fraude: comprar uma página antiga – Gina Indelicada – para ganhar rapidamente seguidores. Logo se viu que era uma fake news: o grupo foi criado em 20 de agosto. Diante do crescimento, ela passou a receber xingamentos e ameaças de violência. A página foi hackeada porque entraram em seu email, que continua contaminado. Daí que, aconselhada pelo Facebook, não pode ser administradora. Nem entrar no grupo que ela própria criou.

Ela faz esse desabafo: “Sou uma sequestrada digital.E estou com muito medo”. O medo cresceu depois que ela soube que uma das envolvidos no grupo, exposta pelos hackers, recebeu uma pedrada.

Veja abaixo seu depoimento:

“Em 30/08/2018 criei um grupo no Facebook com o objetivo de ser espaço de debate político e social exclusivo para as mulheres e repudiar a candidatura do ‘Inominável’, sem maiores pretensões de chegar a quantidade de ‘membras’ que chegou, em 15 dias chegamos a 2 milhões! Mas o que parecia uma grande oportunidade de aprofundarmos politicamente nossos anseios e medos do pleito eleitoral, virou um verdadeiro pesadelo em nossas vidas. Estão invadindo nossas contas pessoais na internet, hackeando desde o nosso WhatsApp ao Hotmail, o meu número pessoal de telefone foi resgatado em outra cidade que nunca nem coloquei os pés… Isso tudo gera uma revolta! Não posso fazer parte do grupo que eu mesma criei, porque minhas ideias incomodam! Minha conta pessoal do Hotmail está sequestrada e eu não consigo alterar a senha, como o login do Facebook é feito com este e-mail, foi preferível desativar meu perfil com minha anuência para evitar novos ataques ao grupo. Estou com uma mordaça virtual, sinto-me como uma sequestrada sendo torturada a assistir o desenrolar do grupo sem poder participar ou defende-lo de novos ataques, não posso acessar minhas próprias contas da rede social, porque não mais possuo as senhas, que são trocadas constantemente por alguém que eu não faça ideia de quem seja, seria muito bom se o Hotmail pudesse nos ajudar a resolver esse problema”.

Compartilhe:

Tags:#News
1
A repercussão dos ataques machistas à jornalista Patrícia Campos Mello
No final da última semana, Hans River do Rio Nascimento foi chamado para prestar depoimento na CPMI das Fake News. …
2
Governo Bolsonaro libera pesca em áreas de conservação ambiental
Uma portaria do Instituto Chico Mendes (ICMBio), órgão vinculado ao Ministério do Meio Ambiente, autorizou a pesca esportiva e amadora …
3
Chuva forte deixa São Paulo debaixo d’água
A chuva que começou ontem não deu sinal de trégua e fez São Paulo amanhecer debaixo d’água nesta segunda-feira, 10. …
4
Coronavírus: aviões da FAB vão retirar brasileiros de Wuhan, na China
Dois aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) decolaram nesta quarta-feira, 5, em direção a Wuhan, na China, para retirar os …
5
BBB20: Mulheres decidem o destino de Pétrix Barbosa
A união das mulheres  decidiu o destino de Pétrix não apenas no Big Brother Brasil 20, mas também fora da …
6
Damares Alves: abstinência sexual, protesto e contradição?
Por que este grupo de mulheres deu as costas para a ministra Damares Alves enquanto ela defendia sua política de …
7
Bolsonaro e a demissão do secretário que viajou com jato da FAB
O presidente Jair Bolsonaro anunciou em sua conta no Twitter que vai tornar sem efeito a nomeação de José Vicente …
8
Visibilidade trans: a história de Thais de Azevedo
O que é violência para você? Para Thais de Azevedo essa pergunta resume uma trajetória de vida. Como mulher trans, …