Damares Alves culpa meninas que não usam calcinha por estupro

Ministra dos Direitos Humanos sugeriu construção de fábrica de calcinhas na ilha de Marajó

Por: Redação

Damares Alves mostrou os resultados do programa Abrace o Marajó, na última quarta-feira, 24, em Brasília (DF), e deu uma declaração polêmica.

Crédito: Reprodução/Agência BrasilA ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves

Segundo a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, as meninas da ilha do Marajó – arquipélago paraense escolhido para combater a exploração sexual e violência contra crianças, adolescentes, juventude, mulheres e pessoa idosa – são estupradas porque não usam calcinha.

Partindo deste raciocínio, a política ressaltou que conseguiu muitas doações de roupas íntimas para mandar para a região e disse que a melhor forma de combater o crime seria levar fábricas de calcinhas para lá para dar emprego e produzir as peças a preço mais barato.

“Se a mulher permanece com o agressor porque depende dele financeiramente, vamos trazer oportunidade a elas no emprego ou no empreendedorismo. Se as crianças são trocadas por alimentos ou óleos diesel que movimentam os barcos, vamos atacar o crime, conscientizar, mas também trazer as empresas que promovam a renda dessas famílias”, declarou a ministra.

Assista ao depoimento de Damares completo abaixo:

Compartilhe: