Homem dopa e estupra empregada doméstica no DF

Patrão ainda perseguiu e ameaçou a mulher e o marido dela

Um homem de 52 anos foi preso por dopar, estuprar, chantagear e ameaçar a empregada que trabalhava em sua residência. Depois de a vítima denunciar o caso à polícia e receber a concessão de medidas protetivas, ele ainda teria a perseguido.

Homem dopa e estuprar empregada doméstica no DF
Créditos: fsHH/Pixabay
Homem dopa e estuprar empregada doméstica no DF

O suspeito foi detido pela polícia de Samambaia (DF), na última quarta-feira, 1°.

Ele alegava ter filmagens e fotos do estupro e ameaçava divulgá-las se a mulher recusasse ter outras relações sexuais. O homem também disse que mataria o marido dela.

Como agir em caso de estupro

Se você for vítima de estupro ou estiver auxiliando uma pessoa que tenha sido estuprada, os passos a serem seguidos são um pouco diferentes das dicas gerais fornecidas anteriormente.

É importante lembrar que o crime de estupro é qualquer conduta, com emprego de violência ou grave ameaça, que atente contra a dignidade e a liberdade sexual de alguém. O elemento mais importante para caracterizar esse crime é a ausência de consentimento da vítima. Portanto, forçar a vítima a praticar atos sexuais, mesmo que sem penetração, é estupro (ex: forçar sexo oral ou masturbação sem consentimento).

Homem dopa e estuprar empregada doméstica no DF
Homem dopa e estuprar empregada doméstica no DF

Uma pessoa que tenha passado por esta situação normalmente encontra-se bastante fragilizada, contudo, há casos em que a vítima só se apercebe do ocorrido algum tempo depois. Em ambos os casos, é muito importante que a vítima tenha apoio de alguém quando for denunciar o ocorrido às autoridades, pois relatar os fatos costuma ser um momento doloroso. Infelizmente, apesar da fragilidade da vítima é importante que ocorra a denúncia para que as autoridades possam tomar conhecimento do ocorrido e agir para a responsabilização do agressor.

Antes da reforma do Código Penal em setembro de 2018, alguns casos de estupro só podiam ser denunciados pela própria vítima. Isso mudou, o que significa que se outra pessoa denunciar um estupro e tiver provas, o Ministério Público poderá processar o caso mesmo que o denunciante não tenha sido a própria vítima.