“É nosso direito”, diz criador de petição por cinemas acessíveis

O abaixo-assinado pede que a ANCINE pare de adiar a vigência da norma que determina que todos os cinemas brasileiros devem ser adaptados

Por: Change.org (Oficial) | Comunicar erro

Ir ao cinema é uma opção muito comum (e apreciada) de lazer. Porém, não é todo mundo que consegue usufruir deste entretenimento: os cinemas do país ainda não estão adaptados com todos os recursos para receber pessoas com deficiência, como a audiodescrição e intérpretes em libras.

Já existe dentro da lei uma instrução normativa, aprovada desde 2016, que determina que todos os cinemas brasileiros devem oferecer estes recursos em todas suas sessões. O problema é que isso não está sendo colocado em prática, já que a obrigatoriedade dos conteúdos acessíveis tem sido adiada ano após ano pela ANCINE (Agência Nacional do Cinema).

Pensando em lutar por esse direito foi que Edgar Jacques, ator e consultor em audiodescrição, criou um abaixo-assinado na Change.org pedindo que a ANCINE pare de adiar a vigência da norma. “Mais de 16 milhões de pessoas cegas e surdas estão sendo prejudicadas e excluídas deste direito previsto em lei”, escreve Edgar no texto da petição.

O abaixo-assinado já está quase chegando às 230 mil assinaturas e continua crescendo. Leia mais em: www.change.org/CinemaAcessivel

Crédito: Bernardo Lessa“Nós existimos e vamos consumir com essa acessibilidade”, diz Edgar Jacques, criador de petição por cinemas acessíveis

Edgar, que é deficiente visual, acredita que com a repercussão da petição a ANCINE, assim como os produtores e proprietários de cinemas pelo Brasil, podem perceber que estão prejudicando um público potencialmente consumidor. “As pessoas que produzem e distribuem filmes estão um pouco resistentes a esse mercado exatamente por não o conhecerem adequadamente. Mas nós existimos e vamos consumir com essa acessibilidade”, diz Edgar. “Temos o direito de acessar qualquer evento cultural em condições proporcionais às de quaisquer outras pessoas que não tenham deficiência”, acrescenta.

Além de prejudicar o público, de acordo com Edgar, adiar o funcionamento da lei pode atrapalhar o negócio do cinema em si. “Precisamos começar o processo de adaptação para que ele se adeque e comece a funcionar com competência quando for obrigatório, para que os cinemas já estejam acostumados e as tecnologias já tenham sido testadas. Assim tudo fluirá com mais naturalidade”, declarou o consultor.

Compartilhe:

Tags: #Direitos
1 / 8
1
06:43
Após ser acusado de comunista, Dimenstein cobra provas de Hasselmann
A deputada federal Joice Hasselmann perdeu a calma nas redes sociais ao atacar o jornalista Gilberto Dimenstein, acusando-o de militante …
2
04:53
Netflix e KondZilla lançam ‘Sintonia’, da periferia para o mundo
KondZilla tem razão quando afirma: "A favela venceu". “Sintonia”, a nova série da Netflix, prova isso. A ideia original é dele …
3
04:21
Sinais que indicam problemas no estômago
Ter tosse seca pode ser um sinal que o seu estômago não vai muito bem. Hoje, o Dr. Raul Cutait, médico …
4
03:43
O estrago de Frota é maior que o Bolsonaro poderia acreditar
Após ser expulso do PSL, o deputado federal Alexandre Frota confirmou sua filiação ao PSDB, partido de João Doria, governador …
5
03:03
Câmara aprova projeto de lei sobre abuso de autoridade
A Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei que define quais situações configuram abuso de autoridade. Agora, o texto …
6
04:07
Um pedido de desculpas à Angela Merkel pelas ofensas de Bolsonaro
Depois de dizer a um repórter que ele deveria fazer cocô dia sim, dia não para preservar o meio ambiente, …
7
03:26
Mortes provocadas pelo fim dos radares deveriam ter nome de Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro determinou nesta quinta-feira, 15, a suspensão dos radares de fiscalização de velocidade móveis em rodovias federais …
8
04:56
‘Risk’, na Netflix, vaza a imagem não autorizada de Julian Assange
Será que, em um ato de coragem, você arriscaria sua própria liberdade para trazer à tona realidades que manipulam a …